Mercado abrirá em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    108.651,05
    +248,77 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.241,81
    -113,05 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,34
    -1,16 (-1,28%)
     
  • OURO

    1.806,90
    -5,40 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    23.077,27
    -325,00 (-1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,23
    -21,12 (-3,79%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.491,44
    +3,29 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    19.610,84
    -392,60 (-1,96%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.058,00
    +26,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2458
    +0,0131 (+0,25%)
     

PicPay anuncia criação de corretora cripto e lançamento de stablecoin

O PicPay, uma das maiores fintechs do Brasil, vai criar uma corretora de moedas digitais que deverá ser lançada até agosto, segundo anúncio exclusivo feito ao site Neofeed. A novidade permitirá aos seus mais de 30 milhões de usuários ativos comprarem criptomoedas. Inicialmente a empresa revelou que irá disponibilizar a negociação de Bitcoin, Ethereum e da “stablecoin” USDP (moeda cujo preço é igual ao do dólar).

A empresa revelou que a corretora até o fim do ano terá cerca de 100 moedas disponíveis para negociações. A organização também desenvolverá sua própria stablecoin e deve entrar no universo dos NFTs, com o lançamento de um marketplace até dezembro.

O marketplace, é uma plataforma que reúne vários vendedores de tokens. A fintech também comentou a intenção de se tornar um tokenizador, isto é transformar ativos reais em ativos digitais na forma de tokens.

Anderson Chamon, cofundador e vice-presidente de produtos e tecnologia do PicPay, explicou que a empresa entrará muito forte nesse "mundo". Segundo ele, não se trata de atividades secundárias da empresa e sim uma linha de negócios muito importante.

PicPay se une ao <a class="link " href="https://canaltech.com.br/empresa/nubank/" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Nubank">Nubank</a> e <a class="link " href="https://canaltech.com.br/empresa/mercado-livre/" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Mercado Livre">Mercado Livre</a>, na lista de fintechs que disponibilizam negociação de criptomoedas (Imagem:Reprodução/Envato/jirkaejc)
PicPay se une ao Nubank e Mercado Livre, na lista de fintechs que disponibilizam negociação de criptomoedas (Imagem:Reprodução/Envato/jirkaejc)

Até o fim do ano, os criptoativos farão parte de todos os processos de pagamento dentro do PicPay. Ele destaca que a visão da empresa é de longo prazo, com foco nos fundamentos da tecnologia. O cofundador do PicPay explica que a intenção da plataforma é permitir que os usuários usem criptomoedas para pagar desde um café na padaria até contratar um seguro no aplicativo. “Vai poder pagar boleto, contas, PIX usando cripto."

A empresa percebeu o potencial do segmento porque os próximos dez anos serão decisivos para a tecnologia. Chamon explica que o papel do PicPay será facilitar a usabilidade dos criptoativos, dos NFTs, e inseri-los no mundos dos pagamentos, a fim de popularizar o mercado cripto. "Seremos um agente propulsor disso”, diz Chamon.

Segundo revelou a empresa, a organização tem trabalhado na unidade de negócios de Cripto e Web3 a cerca de cinco meses. Nesse sentido, contratou o executivo Bruno Gregory, baseado no Vale do Silício, para coordenar a entrada do PicPay nesse universo. Além disso, contratou outros 20 profissionais para a área e outros estão sendo contratados.

PicPay revelou que pretende facilitar a utilização de criptomoedas nos sistemas de pagamentos e se tornar um agente propulsor dessa nova tecnologia(Imagem:Reprodução/Divulgação/PicPay)
PicPay revelou que pretende facilitar a utilização de criptomoedas nos sistemas de pagamentos e se tornar um agente propulsor dessa nova tecnologia(Imagem:Reprodução/Divulgação/PicPay)

O cofundador do PicPay revelou que a empresa acompanha a evolução do mercado de criptomoedas desde 2017. Segundo ele, naquele ano as moedas digitais era um tema mais ligado a especulação, a ganhar dinheiro fácil, enriquecer, no entanto, o mercado começou a mudar e sair da fase de especulação para a fase de uso real. "Foi aí que decidimos dar um passo para entrar nisso. Enxergamos muito valor na tecnologia."

Segundo revelou o site Neofeed, o PicPay está formando uma parceria com a Paxos, uma instituição financeira e empresa de tecnologia com sede em Nova York, especializada em blockchain. A Paxos atualmente disponibiliza soluções para o Mercado Livre e o Nubank que também oferecem negociação de criptomoedas para seus clientes.

PicPay deve lançar criptomoeda lastreada no Real

Após o lançamento da corretora de criptomoedas que deve estar disponível para os clientes em agosto, a empresa direcionará o foco para a stablecoin lastreada no real, que até já recebeu o nome de Brazilian Real Coin (BRC).

A stablecoin, segundo revelou a fintech, será a principal e mais forte moeda digital existente no mercado lastreada na moeda brasileira. A empresa também comentou que pretende listá-la nas maiores plataformas de negociação de criptomoedas do mundo.

O cofundador da empresa, explicou que qualquer pessoa poderá utilizar a stablecoin, que não será preciso ser usuário PicPay. "Você pode ser um turista vindo para o Brasil, pegar o Paypal ou outra carteira digital, comprar a BRC em uma exchange e usar no mercado brasileiro", explicou Anderson Chamon.

Uma vantagem da establecoin, segundo Chamon, é que os usuários estarão utilizando uma moeda brasileira descentralizada, transacionada sem a intermediação de um banco.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos