Mercado fechará em 8 mins

Pico global da COVID-19: mundo registra maior número de novas infecções diárias

Fidel Forato

Em todo o globo, já são mais de sete milhões de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), sendo mais de 410 mil óbitos pela COVID-19, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Embora alguns países estejam voltando a suas rotinas "pré-pandemia", a situação global frente ao vírus ainda não foi controlada.  

Segundo a própria OMS, o mundo registrou, no último domingo (7), o número mais alto de novas infecções diárias pelo coronavírus desde o início da pandemia, nos primeiros meses desse ano. Entre sábado e domingo, foram registrados 136.409 novos casos da infecção respiratória.

No último domingo (7), mundo bate pico de novos casos da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ G1)

Já entre domingo e a manhã de segunda (8), foram mais 131.296 casos da COVID-19, o segundo maior número para junho. Além disso, em quase todos os dias, com a exceção de um, desde o início do mês, mais de 100 mil novos casos da doença foram registrados diariamente. 

Estados Unidos e Brasil

Estados Unidos e Brasil alternam entre notificações do novo coronavírus (Imagem: Reprodução/ G1)

Nesse cenário, em cinco dos últimos oito dias até ontem (8), o Brasil foi o país que teve mais novos casos diários da COVID-19 registrados em todo o mundo. Nos outros três dias, os Estados Unidos é que foram o país com maior número de novos registros da infecção.

Depois de EUA e do Brasil, os países com mais casos nesse intervalo de tempo foram a Índia, a Rússia e o Chile. Ao se aprofundar nessa análise, dos 10 países com mais novas infecções, cinco deles estão localizados nas Américas. Por isso mesmo, a OMS vem manifestando preocupação com a região, principalmente com as Américas Central e do Sul.

Mortalidade da COVID-19

Estados Unidos, Brasil e México registram maiores números de mortes pela COVID-19 (Imagem: Reprodução/ G1)

Nos últimos oito dias até segunda-feira (8), a maior quantidade de óbitos diários da COVID-19 foi registrada no Brasil ou nos EUA.  Nesse cenário, apenas na última sexta-feira (5) outro país teve uma quantidade maior de mortos, o México. Na data, 1.091 casos de óbitos foram notificados pelo país de língua espanhola. 

Ainda nos últimos oito dias até ontem, as mortes pela COVID-19 no Brasil representaram, em média, 23% dos óbitos no mundo. Já no dia 5 de junho, esse percentual chegou 31,5%, que foi considerado o mais alto no período analisado. Em números totais da pandemia, o Brasil é o terceiro país com maior número de mortes em decorrência do novo coronavírus, atrás apenas dos EUA e do Reino Unido.


Fonte: Canaltech