Mercado abrirá em 7 h 19 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,44 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,45 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,74
    -0,29 (-0,72%)
     
  • OURO

    1.916,30
    -13,20 (-0,68%)
     
  • BTC-USD

    12.726,42
    +1.669,41 (+15,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,05
    +10,16 (+4,15%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,98 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.699,11
    -55,31 (-0,22%)
     
  • NIKKEI

    23.470,65
    -96,35 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    11.614,50
    -76,75 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6413
    -0,0087 (-0,13%)
     

Picape Renault Alaskan começará ser produzida em 21 de outubro na Argentina

br.info@motor1.com (Nicolas Tavares)
·3 minutos de leitura
Renault Alaskan pré-série - Argentina
Renault Alaskan pré-série - Argentina

Prima da Nissan Frontier ainda é dúvida para o Brasil

Até o momento confirmada somente para o mercado argentino, a picape média Renault Alaskan ganhou uma data para o início de sua produção na unidade de Santa Isabel (Argentina). A fabricante anuncia que irá montar a prima da Nissan Frontier a partir de 21 de outubro, mesmo dia em que o complexo irá comemorar 65 anos. Até o momento, a marca desconversa sobre o lançamento da Alaskan no Brasil, sem confirmar ou descartar sua chegada.

O lançamento industrial será o momento em que a Renault Alaskan passará a ser feita em série, ao invés das unidades usadas para ajustes e calibração da linha de montagem. E isso já indica que o lançamento acontecerá ainda neste ano, desembarcando poucas semanas depois nas concessionárias – principalmente porque o lançamento deste ano será apenas para a Argentina.

A Alaskan irá compartilhar a linha de produção com a Nissan Frontier, já que é baseada na picape japonesa, usando a mesma plataforma, motorização e praticamente todos os componentes. Tirando o design dianteiro, as alterações são muito pontuais, como rodas diferentes, logo no volante e no santantônio, e outros detalhes.

Será lançada com o motor 2.3 turbodiesel, que também equipa a Frontier, sempre com cabine dupla. Nos bastidores é dito que terá exatamente a mesma oferta que a Frontier, com uma versão monoturbo de 160 cv e as demais biturbo de 190 cv, enquanto as opções de transmissão serão a manual de 6 marchas e automática de 7 posições. A tração pode ser traseira na versão de entrada e 4x4 com reduzida nas demais.

Apesar da Alaskan ter saído de linha na Europa, a Renault decidiu lançar a picape na Argentina em uma aposta para aproveitar a força do segmento na América Latina e principalmente no país hermano. Com uma quantidade muito maior de concessionárias na Argentina do que a Nissan, a Alaskan tem mais potencial de vendas do que a versão japonesa, que emplacou 2.756 unidades em 2019. E a Toyota Hilux mostra o potencial do segmento, com 25.128 unidades vendidas em 2019 e, muitas vezes, é um dos modelos mais emplacados do país.

Outro motivo é aumentar a produção de Santa Isabel. O complexo deveria produzir Frontier, Alaskan e a Mercedes-Benz Classe X, outra picape que usa a mesma plataforma, componentes e boa parte da motorização. No entanto, a fabricante alemã desistiu do veículo após um desempenho ruim no mercado global e desentendimentos com a Aliança Renault-Nissan. A fim da Classe X obrigou uma revisão nos planos para o complexo e adicionar a Alaskan ajuda a manter o complexo funcionando em um nível aceitável.

Leia também:

Oficialmente, a Renault Argentina diz que a produção no país irá atender outros mercados da América Latina que se interessarem pela Alaskan, sem dizer se já existe alguma preparação para exportar a picape em breve. No Brasil, a fabricante não confirma e nem nega a chegada da Alaskan. Em 2018, durante o Salão do Automóvel de São Paulo, a marca até mostrou uma unidade da picape média, sem compromisso, dizendo que era apenas para avaliar a aceitação do público. E já vimos uma unidade no Brasil. Se ela vier, isso acontecerá somente em 2021.


Source: Argentina Autoblog