Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.227,09
    +94,56 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.412,47
    +211,88 (+0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,94
    -0,77 (-1,68%)
     
  • OURO

    1.813,00
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    17.153,91
    +17.153,91 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    335,96
    -34,56 (-9,33%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.362,93
    -28,16 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.158,25
    +6,00 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3405
    +0,0028 (+0,04%)
     

PIB do México sofre queda histórica de 17,3% no 2o trimestre

·2 minuto de leitura
Homem passa por lojas fechadas na Cidade do México, devido à pandemia de COVID-19
Homem passa por lojas fechadas na Cidade do México, devido à pandemia de COVID-19

A economia mexicana, segunda maior da América Latina depois do Brasil e fortemente atingida pela pandemia da COVID-19, caiu 17,3% no segundo trimestre de 2020, sua maior queda já registrada - aponta a estimativa preliminar do Instituto Nacional de Estatística (INEGI) divulgada nesta quinta-feira (30).

O Produto Interno Bruto (PIB) "diminuiu (-) 17,3% em termos reais no trimestre abril-junho de 2020 frente ao trimestre anterior, com números ajustados pela sazonalidade", afirma o comunicado do INEGI.

No primeiro trimestre, quando começaram a ser sentidos os efeitos de uma semiparalisia econômica devido à COVID-19, o PIB caiu 2,2%.

Na comparação anual, a economia mexicana mostrou um retrocesso real de 18,9%, ainda segundo estimativas do INEGI.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, disse em coletiva de imprensa que esse retrocesso era esperado, porque a pandemia começou a afetar o país a partir de março.

"Existem outros indicadores de que, em julho, já estamos avançando", afirmou.

Obrador também declarou que enxerga o terceiro trimestre com "otimismo", pois, segundo ele, "o pior já passou", e o México está se recuperando.

A prova disso é que, em julho, praticamente não houve perdas de empregos formais, afirmou.

Para o economista Raymundo, mestre emérito do Tecnológico de Monterrey (privado), porém, esta é a "pior crise econômica" que o México já enfrentou e levará pelo menos cinco anos para retornar aos níveis anteriores à pandemia.

Esta é a maior queda desde que o INEGI passou a registrar a atividade econômica.

"Por componentes, o PIB das atividades secundárias recuou (-) 23,6%, o das terciárias (-) 14,5%, e o das atividades primárias (-) 2,5% no segundo trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior", acrescenta o comunicado.

O Banco do México (central) antecipa uma queda entre 8,3% e 8,8% para 2020, "devido à profundidade e à duração das consequências" da pandemia da COVID-19, conforme sua estimativa de 27 de maio.

A economia mexicana se encontra estacionada desde o final de março, por causa das restrições impostas pela quarentena, o que aprofundou a crise econômica que o país já vinha arrastando.

Desde junho, algumas atividades foram retomadas, como nas indústrias manufatureira, automotiva e de mineração, enquanto diversos estabelecimentos comerciais, restaurantes e hotéis reabriram com restrições em sua capacidade.

A maioria dos trabalhadores formais segue confinada em suas casas, enquanto o importante setor dedicado à economia informal teve sua renda severamente reduzida.

Com esse novo retrocesso, de acordo com a série sequencial do INEGI e em comparação com o período imediatamente anterior, a economia mexicana já acumula cinco trimestres consecutivos de declínio. Em 2019, o PIB caiu 0,1%.