Mercado fechará em 6 h 13 min
  • BOVESPA

    100.957,53
    +366,12 (+0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,92
    +1,16 (+1,04%)
     
  • OURO

    1.829,40
    +8,20 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    19.983,03
    -1.082,87 (-5,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    430,76
    -8,90 (-2,02%)
     
  • S&P500

    3.801,25
    -20,30 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    30.926,62
    -20,37 (-0,07%)
     
  • FTSE

    7.329,39
    +5,98 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    21.996,89
    -422,08 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.804,60
    -244,87 (-0,91%)
     
  • NASDAQ

    11.608,25
    -66,00 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4762
    -0,0653 (-1,18%)
     

PIB do Japão encolhe no 1º tri e aumento de custos cria novas pressões

Ponte para pedestres em Tóquio

Por Daniel Leussink e Tetsushi Kajimoto

TOKYO (Reuters) - A economia do Japão encolheu pela primeira vez em dois trimestres no período de janeiro a março, quando as restrições contra a Covid-19 atingiram o setor de serviços e o aumento dos preços das commodities criou novas pressões, levantando preocupações sobre uma retração prolongada.

O declínio apresenta um desafio para o primeiro-ministro, Fumio Kishida, para alcançar o crescimento e a distribuição de riqueza sob sua agenda de "novo capitalismo", alimentando o medo de estagflação - uma mistura de crescimento tépido e inflação crescente.

A terceira maior economia mundial caiu a uma taxa anualizada de 1,0% em janeiro-março, de acordo com os números do Produto Interno Bruto (PIB), contra contração de 1,8% esperada por economistas.

Isso se traduziu em uma queda trimestral de 0,2%, mostraram os dados do Escritório do Gabinete, contra previsão do mercado de uma queda de 0,4%.

A leitura fraca pode pressionar Kishida a adotar ainda mais medidas de estímulo com as eleições para a câmara alta em 10 de julho, após os 2,7 trilhões de ienes (20,86 bilhões de dólares) em gastos orçamentários extras compilados na terça-feira.

"A economia voltará a crescer nos próximos trimestres, mas não será uma recuperação dramática, deixando a possibilidade de gastos adicionais em aberto à medida que as eleições se aproximam", disse Hiroshi Shiraishi, economista sênior do BNP Paribas Securities.

"O lockdown na China e as altas de juros nos Estados Unidos, bem como a crise na Ucrânia, podem pesar na demanda externa. Quedas na renda real das famílias e das empresas devido à piora dos termos de troca podem dificultar a recuperação da demanda interna", completou.

O consumo privado, que representa mais da metade da economia, foi pouco alterado, mostraram os dados, melhor do que uma queda de 0,5% esperada pelos economistas, mas abaixo do crescimento de 2,5% revisado para cima visto no trimestre encerrado em dezembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos