Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.534,46
    +432,46 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

PIB dos EUA voltará aos níveis pré-pandemia este ano e o emprego em 2024

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Vista do Capitólio, sede do Congresso americano, em Washingon

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos voltará ao seu nível anterior à pandemia em meados deste ano, antes do previsto, mas a recuperação do emprego chegará apenas em 2024, segundo projeções atualizadas do Escritório de Orçamento do Congresso (CBO) publicadas nesta segunda-feira (1).

No entanto, as previsões sobre o emprego na primeira economia são menos otimistas: a projeção indica que a quantidade de empregos voltará aos níveis anteriores à pandemia apenas em 2024.

O CBO estima que a economia será "mais forte que o estimado em julho de 2020, em grande parte porque a recessão não foi tão severa como se esperava e porque a primeira etapa da recuperação aconteceu antes e foi mais forte que o esperado", disse o escritório.

"Nas projeções do CBO, o índice de desemprego diminui gradualmente até 2026, e o número de pessoas empregadas volta ao seu nível anterior à pandemia em 2024", enquanto a força de trabalho (soma de empregados e desempregados) se recupera até 2022.

Estados Unidos, o país mais afetado do mundo pela covid, sofreu no ano passado sua pior contração econômica desde 1946, ao ceder 3,5%, enquanto o índice de desemprego disparou, saindo de mínimos históricos antes da pandemia.

A nova previsão se baseia também na administração em andamento da vacina contra a covid-19, e indica "que a expansão econômica iniciada em meados de 2020 continuará".

O escritório espera um crescimento do PIB de 4,6% em 2021; 2,9% em 2022; 2,2% em 2023, e de 2,3% em média em 2024 e 2025.

Em relação ao desemprego, projeta uma taxa de 5,7% em 2021, depois de 8,1% em 2020, de 5% em 2022, de 4,7% em 2023, de 4,2% em 2024 e 2025.

O Congresso aprovou quase US$ 4 trilhões em medidas de estímulo destinadas a ajudar os cidadãos americanos e as pequenas empresas durante a pandemia, e os analistas dizem que o gasto ajudou a economia a evitar uma recessão ainda pior.

O CBO estima que um pacote de US$ 900 bilhões aprovado em dezembro impulsionará o PIB em 1,5% este ano e no próximo.

jul/Dt/oaa/mls/rsr/aa