Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.235,76
    +1.584,71 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.808,21
    +566,41 (+1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,83
    -0,10 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.801,60
    -12,10 (-0,67%)
     
  • BTC-USD

    24.323,83
    +1.478,24 (+6,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,44
    +42,22 (+7,95%)
     
  • S&P500

    4.210,24
    +87,77 (+2,13%)
     
  • DOW JONES

    33.309,51
    +535,11 (+1,63%)
     
  • FTSE

    7.507,11
    +18,96 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    19.856,34
    +245,50 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.447,25
    +55,25 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2387
    -0,0077 (-0,15%)
     

Recessão fica à espreita após nova contração da economia dos EUA no 2° tri

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Fábrica de automóveis em Fremont, nos EUA
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - A economia dos Estados Unidos registrou uma inesperada contração no segundo trimestre, com os gastos do consumidor crescendo no ritmo mais lento em dois anos e os gastos das empresas em queda, o que pode alimentar temores de que o país já esteja numa recessão.

O segundo declínio trimestral consecutivo no Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA, informado pelo Departamento do Comércio nesta quinta-feira, refletiu em grande parte um ritmo mais moderado de acúmulo de estoques pelas empresas, devido à escassez contínua de automóveis.

A desaceleração dos gastos do consumidor também deixou varejistas com pouco apetite para acumular mais estoque. O segundo declínio consecutivo do PIB --que vem num contexto de aperto agressivo da política monetária pelo Federal Reserve, banco central norte-americano-- poderia forçar uma desaceleração dos intensos aumentos de juros nos EUA.

"A economia está altamente vulnerável a uma recessão", disse Sal Guatieri, economista sênior da BMO Capital Markets. "Isso pode desencorajar o Fed a forçar outro grande aumento de juros em setembro."

O Produto Interno Bruto (PIB) caiu a uma taxa anualizada de 0,9% no último trimestre, disse nesta quinta-feira o Departamento de Comércio em estimativa preliminar do PIB. Economistas consultados pela Reuters previam recuperação do PIB a uma taxa de 0,5%.

As estimativas variaram de retração de 2,1% a crescimento de 2,0%. A economia contraiu 1,6% no primeiro trimestre.

O segundo declínio trimestral consecutivo do PIB atende à definição padrão de recessão.

Mas o escritório nacional de estatísticas dos EUA, o árbitro oficial das recessões no país, define uma recessão como "um declínio significativo na atividade econômica espalhada por toda a economia, com duração superior a alguns meses, normalmente visível na produção, emprego, renda real, e outros indicadores".

A geração de empregos ficou, em média, em 456.700 vagas por mês na primeira metade do ano, o que está estimulando fortes ganhos salariais. No entanto, riscos de uma recessão aumentaram. A construção e a venda de moradias enfraqueceram, enquanto a confiança de consumidores e empresários piorou nos últimos meses.

DEMANDA ESTANCA

Os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, cresceram a uma taxa de 1,0%. Foi o ritmo mais lento desde o segundo trimestre de 2020 e representou uma desaceleração ante a taxa moderada de expansão de 1,8% do primeiro trimestre.

Os gastos das empresas contraíram, puxados pelo fraco investimento em equipamentos e estruturas não residenciais. Os gastos do governo também se mostraram fracos, refletindo declínio acentuado em despesas não relacionados à defesa.

A Casa Branca está energicamente contestando comentários sobre a ameaça de recessão, conforme busca acalmar cidadãos antes das eleições de meio de mandato, em 8 de novembro, que decidirão se o Partido Democrata, do presidente Joe Biden, manterá o controle do Congresso.

Um relatório paralelo do Departamento do Trabalho norte-americano mostrou nesta quinta-feira que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 5 mil, para leitura ajustada sazonalmente de 256 mil, na semana finda em 23 de julho. Economistas consultados pela Reuters previam 253 mil solicitações para a semana passada.

Os pedidos de auxílio-desemprego continuam abaixo da faixa de 270 mil a 350 mil que economistas dizem sinalizar um aumento na taxa de desocupação. Mesmo assim, a desaceleração do crescimento econômico pode encorajar o Fed a reconsiderar seus robustos aumentos de juros, embora isso dependa do caminho da inflação, que está bem acima da meta do banco central, de 2%.

O Fed elevou na quarta-feira sua taxa de juros em outros 75 pontos-base, levando o aumento total dos custos dos empréstimos desde março para 225 pontos-base. O chair do Fed, Jerome Powell, reconheceu o resfriamento da atividade econômica como resultado da política monetária mais rígida.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos