Mercado abrirá em 9 h 45 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,48
    +0,57 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.807,00
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    19.006,70
    -61,80 (-0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,26
    +8,51 (+2,30%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.895,62
    +307,42 (+1,16%)
     
  • NIKKEI

    26.623,80
    +458,21 (+1,75%)
     
  • NASDAQ

    12.163,25
    +87,25 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4016
    +0,0047 (+0,07%)
     

PIB da zona do euro salta mais que o esperado no 3º tri, preços caem

·1 minuto de leitura
Construção em Viena
Construção em Viena

BRUXELAS (Reuters) - A economia da zona do euro se recuperou com muito mais força do que o esperado no terceiro trimestre depois da contração provocada pela pandemia nos três meses anteriores, mostraram dados preliminares da agência de estatísticas da UE, devido principalmente ao salto na Itália, França e Espanha.

Mas os preços ao consumidor continuaram a cair em outubro como esperado, estimou a Eurostat, pressionados pela queda dos custos de energia apesar dos preços mais altos de alimentos, álcool e tabaco.

A Eurostat informou que o Produto Interno Bruto nos 19 países que usam o euro saltou 12,7% entre julho e setembro na comparação com o trimestre anterior, após contração de 11,8% nos três meses anteriores. A expectativa em pesquisa da Reuters era de avanço de 9,4%.

Na base anual, no entanto, a produção econômica da zona do euro recuou 4,3%, depois de contração de 14,8% no segundo trimestre nesta base de comparação.

Em outubro os preços ao consumidor caíram 0,3% sobre o ano anterior, como esperado por economistas em pesquisa da Reuters, mesma taxa de setembro. Na base mensal houve alta de 0,2%.

Os preços de energia despencaram 8,4% na comparação anual, compensando o aumento de 4,3% nos preços dos alimentos não processados.

(Reportagem de Jan Strupczewski)