Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.123,02
    +1.577,18 (+3,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7811
    -0,0048 (-0,07%)
     

PIB britânico tem contração recorde de 9,9% em 2020

·2 minuto de leitura
Bandeira britânica em edifício de Ludgate Hill, centro de Londres, em 12 de janeiro de 2021

O Produto Interno Bruto (PIB) da Grã-Bretanha registrou queda de 9,9% em 2020, uma baixa sem precedentes, devido ao impacto da pandemia de coronavírus que paralisou setores inteiros durante meses, anunciou nesta sexta-feira o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS).

No quarto trimestre, a economia britânica cresceu 1,0%, depois de um avanço de 16,1% registrado no terceiro trimestre.

De outubro a dezembro "aconteceu um aumento da atividade dos serviços, produção e construção, mas continuou sendo inferior aos níveis prévios à pandemia", explicou o ONS.

De acordo com a instituição, este é o maior retrocesso anual registrado desde o início das estatísticas sobre a economia britânica. A queda do PIB do ano passado foi mais que o dobro da contração de 2009, provocada pela crise financeira.

Em novembro, o confinamento em vigor na Inglaterra e as restrições em outras regiões britânicas provocaram uma nova queda do PIB de 2,3%.

O fechamento de bares, restaurantes, hotéis e outros serviços, assim como a paralisação de empresas vinculadas aos setores de arte e entretenimento, teve um peso negativo importante na economia.

As compra de Natal e a flexibilização de parte das restrições no início de dezembro conseguiram estimular levemente a economia e o setor de bens e serviços, embora as restrições tenham retornado na segunda metade do mês e, com elas, as cifras negativas.

"Apesar de alguns sinais importantes da capacidade de resistência da economia durante o inverno, vemos que o confinamento atual", que continuou em janeiro e fevereiro e ao qual se uniu o fechamento das escolas, "continua a ter um impacto significativo em muitas pessoas e em muitas empresas", disse o ministro britânico das Finanças, Rishi Sunak, em um comunicado.

O ministro afirmou que no início de março vai anunciar medidas para apoiar o emprego e a economia "na próxima fase da pandemia".

ved/esp/mis-bl/mis/fp