Mercado fechará em 1 h 49 min
  • BOVESPA

    109.498,43
    +2.119,51 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.519,77
    +252,57 (+0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,92
    +1,86 (+4,32%)
     
  • OURO

    1.800,90
    -36,90 (-2,01%)
     
  • BTC-USD

    19.268,08
    +816,11 (+4,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,15
    +12,40 (+3,35%)
     
  • S&P500

    3.631,04
    +53,45 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    30.073,25
    +481,98 (+1,63%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.009,50
    +104,25 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3990
    -0,0413 (-0,64%)
     

PIB do Brasil em 2018 é revisado de alta de 1,3% para 1,8%

EDUARDO CUCOLO
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O IBGE divulgou nesta sexta-feira (6) o dado definitivo sobre o crescimento da economia brasileira no último ano do governo Michel Temer (2016-2018). O PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 1,8% em 2018 e atingiu R$ 7 trilhões. O dado divulgado anteriormente era uma alta de 1,3%. A revisão do PIB daquele ano deverá levar também a revisões dos números posteriores, com alterações que serão divulgadas no início de dezembro junto com o resultado do PIB do terceiro trimestre de 2020. O PIB per capita chegou a R$ 33.593,82, com alta de 1,0% em relação ao ano anterior. No final do ano passado, o IBGE havia divulgado o dado do PIB de 2017, que cresceu 1,3%, acima do 1,1% registrado na divulgação preliminar. Aquele foi o primeiro ano de expansão após as retrações verificadas em 2015 (-3,5%) e 2016 (-3,3%). Desde então, o PIB tem mantido o mesmo ritmo de fraco crescimento e ainda está abaixo do patamar verificado antes da recessão iniciada em meados de 2014. Para 2020, a expectativa é de queda do PIB por causa da pandemia. O dado de 2019, primeiro ano do governo Jair Bolsonaro, mostrou crescimento de 1,1%.