Mercado abrirá em 3 h 25 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,05
    +1,48 (+1,35%)
     
  • OURO

    1.827,50
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    21.127,22
    -302,59 (-1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    461,10
    -0,70 (-0,15%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.337,81
    +79,49 (+1,10%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.113,00
    +72,50 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5345
    -0,0096 (-0,17%)
     

Brasil acelera crescimento econômico no 1º tri sustentado por serviços

Consumidores fazem compras em rua comercial de São Paulo

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Brasil iniciou 2022 com aceleração do crescimento econômico, registrando entre janeiro e março expansão por três trimestres seguidos com a ajuda da retomada do setor de serviços, mesmo com o cenário de inflação e juros elevados e incertezas externas.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro teve crescimento de 1,0% na comparação com os últimos três meses de 2021, mostrando aceleração em relação ao fim do ano passado, quando avançou 0,7% sobre o trimestre anterior.

O dado divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi o mais alto desde o primeiro trimestre de 2021 (+1,1%), porém ficou abaixo da expectativa em pesquisa de Reuters de um ganho de 1,2%.

O IBGE, entretanto, revisou para cima os números do terceiro e quarto trimestres de 2021, passando a ver respectivamente altas de 0,7% e 0,1%, depois de informar anteriormente taxas de 0,5% e -0,1%. O número do segundo trimestre também melhorou, embora ainda tenha ficado negativo, passando a retração de 0,2%, ante declínio de 0,3% informado previamente.

Com o agora resultado positivo do terceiro trimestre, o Brasil sai do cenário de recessão técnica que havia sido apontado antes com dois trimestres seguidos de recuos.

Entretanto, o avanço de 4,6% do PIB no ano de 2021 como um todo foi mantido, e a atividade econômica está agora 1,6% acima do patamar do quatro trimestre de 2019, período pré-pandemia, segundo o IBGE.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2021, o PIB teve expansao de 1,7%, ante expectativa de 1,8% nessa base de comparação.

O desempenho da atividade econômica surpreendeu no início deste ano, mesmo com a inflação em 12 meses em dois dígitos e a alta da taxa básica de juros. A reabertura da economia após os lockdowns contra a Covid-19 ajudou, bem como a recuperação do emprego e a expansão da renda disponível, ainda que abaixo do esperado no primeiro trimestre.

E a demanda no país foi auxiliada por um maior estímulo fiscal, após o aumento da transferência de renda aos mais pobres por meio do Auxílio Brasil.

SERVIÇOS PUXAM PIB

Nos três primeiros meses do ano, o destaque foi o crescimento de 1,0% dos serviços, que respondem por 70% do PIB brasileiro, acelerando ante avanço de 0,6% no quarto trimestre.

"Serviços foram o destaque no primeiro trimestre e tudo que tem a ver com viagem, transporte aéreo, rodoviário, bar, restaurante, alimentação cresceu. Houve flexibilização das medidas (contra a Covid) e houve aumento da demanda por parte das pessoas. Diminuiu o receio das pessoas de consumir presencialmente", explicou a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Ainda do lado da produção, a indústria teve crescimento de apenas 0,1% no período, mas voltou a uma taxa positiva depois de três trimestres seguidos de contração.

Por outro lado, a Agropecuária encolheu 0,9% nos três primeiros meses deste ano, depois de saltar 6,0% no quarto trimestre, devido à estiagem no Sul que afetou principalmente a soja, segundo o IBGE.

Pelo lado das despesas, o consumo das famílias cresceu 0,7% e o do governo, 0,1%. No entanto, a Formação Bruta de Capital Fixo, uma medida de investimento, encolheu 3,5%, com redução na produção e importação de bens de capital.

"O consumo das famílias cresceu puxado pelos serviços presenciais, e o consumo do governo cresceu por conta do ano eleitoral e há prazo para gastos", disse Palis, ressaltando, no entanto, que o consumo das famílias ainda está 0,7% abaixo do nível pré-pandemia.

Em relação ao setor externo, as exportações de bens de serviços aumentaram 5,0%, mas as importações contraíram 4,6% em relação ao quarto trimestre de 2021.

ESTÍMULOS

Analistas vêm melhorando as perspectivas para a economia brasileira neste ano, ao mesmo tempo que revisam para baixo as projeções para o PIB em 2023.

Entre os fatores domésticos, estímulos fiscais anunciados pelo governo podem ajudar a mitigar a deterioração das finanças das famílias, em um ambiente de inflação extremamente alta e desafiadora no país.

Além disso, a atividade se beneficia do aumento internacional dos preços das commodities, via tanto balança comercial quanto aumento da produção.

Entretanto, a eleição presidencial no segundo semestre continua sendo ponto de atenção, com as incertezas relacionadas ao processo político e à política econômica no próximo governo potencialmente afetando decisões de investimento de empresas. E o agressivo aperto da política monetária conduzido pelo Banco Central para controlar a inflação --a Selic está atualmente em 12,75%-- tende a impactar a demanda e restringir a atividade já na segunda metade deste ano e em 2023.

Nesse cenário, as projeções do mercado para o PIB seguem modestas, com o teto das apostas de grandes bancos apontando crescimento em torno de 1,5% para este ano. Para 2023, a expectativa é que a economia desacelere e cresça abaixo de 1%, com algumas casas --como Itaú Asset e Santander Brasil-- prevendo retração.

O Ministério da Economia já estava mais otimista do que o mercado e no mês passado manteve suas projeções feitas em março para o crescimento do PIB, de 1,5% para este ano e de 2,5% para 2023.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos