Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.636,91
    -392,58 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Philip Morris, fabricante do Marlboro, mantém cannabis na mira

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Depois de manter distância da cannabis, a Philip Morris International, fabricante dos cigarros Marlboro, começa a olhar mais de perto o aquecido mercado.

A empresa analisa fatores como a toxicidade da cannabis, eficácia e diferenças entre as opções farmacêuticas e de consumo, disse o CEO Andre Calantzopoulos à Bloomberg News na terça-feira. A empresa ainda está estudando o setor porque o mercado é muito novo e não há uma regulamentação sólida, disse o executivo.

“Estamos fazendo todo esse trabalho e um dia determinaremos quais caminhos seguir”, afirmou em entrevista. “Mas nossa prioridade é o que estamos fazendo com nossos produtos sem fumaça, e aí é onde eu ficaria na cannabis.”

Os comentários sugerem uma possível transição para uma empresa que se manteve à margem do mercado de maconha, mesmo com a entrada de outras empresas de cigarros. Em 2018, a Altria Group, que vende Marlboros nos EUA, anunciou um investimento na produtora canadense de cannabis Cronos Group; no início deste ano, a British American Tobacco comprou uma participação na Organigram Holdings.

Há cinco anos, a Philip Morris investiu em uma empresa israelense de cannabis medicinal, a Syqe Medical, mas a aposta não estava diretamente relacionada a produtos de maconha. O pequeno acordo tinha como objetivo garantir os direitos globais exclusivos de tecnologia para dosagem de alta precisão para produtos de tabaco sem fumaça e aplicações de nicotina, disse Corey Henry, porta-voz da Philip Morris.

Se a Philip Morris optar pela cannabis, isso pode fazer parte da estratégia “Além da Nicotina” da empresa, que inclui a adição de botânicos para expandir a oferta de produtos de risco reduzido com novos sabores como cravo, anis-estrelado ou camomila. Áreas de oportunidade também podem incluir produtos que ajudam a dormir, fornecem energia ou acalmam, disse a empresa no Dia do Investidor em fevereiro.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos