Mercado fechará em 5 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    108.897,18
    +883,71 (+0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.823,23
    -408,97 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,47
    -0,49 (-0,56%)
     
  • OURO

    1.845,20
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    42.403,05
    +255,77 (+0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.008,20
    +13,45 (+1,35%)
     
  • S&P500

    4.532,76
    -44,35 (-0,97%)
     
  • DOW JONES

    35.028,65
    -339,82 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.575,90
    -13,76 (-0,18%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.186,25
    +152,75 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1407
    -0,0267 (-0,43%)
     

PGR diz que depoimento de Bolsonaro à PF foi prestado de maneira 'regular'

·2 min de leitura

A Procuradoria-Geral da República (PGR) disse, em manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF), que o depoimento prestado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à Polícia Federal (PF) no inquérito que investiga uma suposta interferência política na corporação foi colhido de maneira legal. O depoimento foi prestado no último dia 3.

A defesa do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro encaminhou uma petição ao Supremo questionando a forma como o depoimento do presidente foi colhido. Os advogados de Moro reclamam que a fala do chefe do Executivo foi restrita apenas ao órgão.

"Não se verifica qualquer irregularidade no procedimento adotado pela autoridade policial quando da realização da oitiva de Jair Bolsonaro", disse a PGR, em documento assinado pelo procurador-geral da República, Augusto Aras.

O inquérito apura se Bolsonaro teria tentado interferir na PF, após Sergio Moro apontar que ele o pressionava para substituir o diretor-geral da corporação por um aliado. O relator do caso no STF é o ministro Alexandre de Moraes.

Em agosto, Moraes decidiu que não era necessário que outras partes acompanhassem o depoimento de testemunhas.

Segundo a PGR, "a diligência foi cumprida em conformidade com a última decisão judicial proferida pelo atual Ministro Relator do processo". Ainda de acordo com Aras, o inquérito policial, por ser procedimento administrativo de natureza inquisitorial, permite mitigação do contraditório.

Além disso, a procuradoria apontou que "sendo o termo de oitiva peça informativa integrante de procedimento inquisitorial prévio", imperfeições incidentais não contaminariam eventual processo penal futuro.

O principal ponto questionado pela defesa do ex-ministro Moro é que o interrogatório foi feito pela Polícia Federal sem a participação de seus advogados e da PGR. A defesa do ex-ministro diz que faltou isonomia no tratamento dispensado ao presidente.

"Esperavam os signatários da presente serem comunicados da data de oitiva do segundo investigado - e assim também o fosse a própria PGR - mantendo-se o mesmo procedimento adotado quando do depoimento prestado pelo ex-Ministro Sérgio Fernando Moro, em homenagem à isonomia processual. Nada obstante, o depoimento do Sr. Presidente da República foi colhido em audiência reservada, presidida pela autoridade policial em período noturno, sem participação desta Defesa e da Procuradoria Geral da República", disseram os advogados ao STF.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos