Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,89
    -0,31 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.822,90
    +8,90 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    30.037,10
    -959,09 (-3,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.236,75
    -146,00 (-1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2805
    +0,0214 (+0,41%)
     

Pfizer pede autorização emergencial para dose de reforço em crianças

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Na última terça-feira (26) a Pfizer solicitou autorização de uso emergencial para aplicar a dose de reforço da vacina contra covid-19 em crianças de 5 a 11 anos nos EUA. A submissão à FDA (órgão de saúde norte-americano) incluiu dados do ensaio clínico de Fase 2/3 no público infantil, seis meses após a segunda dose.

Os dados entregues pela Pfizer demonstraram "uma forte resposta imune nessa faixa etária após uma dose de reforço da vacina sem novos sinais de segurança", conforme diz a própria empresa, em comunicado. A ideia é enviar as informações para outras agências reguladoras em todo o mundo para autorização nas próximas semanas.

O estudo em questão envolveu até 4,5 mil crianças de 6 meses a 11 anos de idade nos Estados Unidos, Finlândia, Polônia e Espanha, a princípio. No entanto, mais crianças foram inscritas em todas as faixas etárias após as alterações feitas ao longo do tempo, então atualmente a pesquisa envolve mais de dez mil crianças.

Dose de reforço da Pfizer em crianças

Pfizer pede autorização emergencial para dose de reforço em crianças de 5 a 11 (Imagem: DragonImages/Envato)
Pfizer pede autorização emergencial para dose de reforço em crianças de 5 a 11 (Imagem: DragonImages/Envato)

O estudo foi originalmente projetado para avaliar a segurança, tolerabilidade e imunogenicidade da vacina em um esquema de duas doses (aproximadamente 21 dias de intervalo), e envolveu crianças com ou sem evidência prévia de infecção por SARS-CoV-2.

Em março, pesquisadores do departamento de Saúde do Estado de Nova York (EUA) identificaram que a taxa de proteção da vacina da Pfizer contra a covid-19 é reduzida com o passar do tempo. Os dados preliminares apontaram para importância da terceira dose. O trabalho mostrou que a eficácia da vacina contra a infecção — para casos leves e sintomáticos — entre crianças de 5 a 11 anos caiu de 68% para 12%.

No Brasil, a vacina da Pfizer contra a covid-19 já pode ser aplicada em crianças de 5 a 11 anos, sob autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No entanto, a concentração da vacina usada em adultos é diferente da utilizada nas crianças com menos de 12 anos: no público infantil, a fórmula é aplicada em duas doses de 0,2 mL (equivalente a 10 microgramas), com pelo menos 21 dias de intervalo. Para os mais velhos, a vacina é aplicada em doses de 0,3 mL.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos