Mercado abrirá em 5 h 15 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,40
    +0,50 (+0,77%)
     
  • OURO

    1.833,90
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    58.716,82
    +764,16 (+1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.566,40
    +130,62 (+9,10%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.130,70
    +0,99 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    28.523,61
    -87,04 (-0,30%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.645,00
    -64,75 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Pfizer: pílula contra COVID-19 pode ficar pronta ainda este ano, diz CEO

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

Para o combate de infecções do novo coronavírus (SARS-CoV-2), pesquisadores trabalham no desenvolvimento de terapias seguras e eficazes contra o agente infeccioso. Nesse cenário, o CEO da farmacêutica norte-americana Pfizer, Albert Bourla, afirmou que o remédio oral da empresa para o tratamento de casos confirmados da COVID-19 pode chegar ao público até o final deste ano.

"Se tudo correr bem e mantermos a mesma velocidade [de desenvolvimento] em que estamos, e se os reguladores fizerem o mesmo, e eles estão, espero que [o remédio esteja disponível] até o final do ano", comentou o CEO, durante um programa da rede CNBC. Em paralelo, a Pfizer também trabalha na formulação de um antiviral injetável contra o coronavírus.

Pfizer pode entregar remédio para tratamento de casos da COVID-19 ainda este ano (Imagem: Reprodução/HalGatewood/Unsplash)
Pfizer pode entregar remédio para tratamento de casos da COVID-19 ainda este ano (Imagem: Reprodução/HalGatewood/Unsplash)

Como funciona a potencial pílula da Pfizer contra a COVID-19?

A ideia é que o potencial medicamento oral da Pfizer possa ser tomado pelo paciente infectado pelo coronavírus em casa, conforme a prescrição médica, e que ele evite a evolução da COVID-19 para casos graves. "Nossa atenção particular está no [remédio] oral, porque ele oferece várias vantagens", afirmou Bourla. "Uma delas é que você não precisa ir ao hospital para receber o tratamento, o que é o caso de todos os [outros remédios] injetáveis [já aprovados] ​​até agora. Você poderia obtê-los em casa e isso poderia ser uma virada de jogo", defende.

Entre os medicamentos já aprovados no Brasil contra a COVID-19, está o coquetel REGN-COV2, da empresa de biotecnologia norte-americana Regeneron. No entanto, por se tratar de um medicamento intravenoso, o uso é limitado a ambientes clínicos, como hospitais. Está é uma importante diferença do remédio, em fase de testes em humanos desde março, da Pfizer, já que será no formato de uma pílula.

Vale lembrar que a Pfizer e a empresa de biotecnologia alemã BioNTech desenvolveram a primeira vacina contra coronavírus autorizada para uso nos Estados Unidos e na Europa, através da tecnologia de mRNA (RNA mensageiro). Dessa forma, se aprovada, a pílula pode ser mais um importante reforço no combate global à COVID-19.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: