Mercado abrirá em 4 h 2 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    +0,26 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.695,90
    +17,90 (+1,07%)
     
  • BTC-USD

    53.923,62
    +4.005,38 (+8,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.087,30
    +63,09 (+6,16%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.729,30
    +10,17 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.493,50
    +196,25 (+1,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Pfizer nega condições de Bolsonaro para vender vacina e Brasil segue com imunização lenta

·2 minuto de leitura
Foto: AHMAD GHARABLI/AFP via Getty Images
Foto: AHMAD GHARABLI/AFP via Getty Images

A Pfizer, produtora de uma das vacinas mais utilizadas no planeta contra a Covid-19, afirmou ao governo brasileiro que não aceita as exigências para vender o imunizante ao país. 

A empresa e o Ministério da Saúde não conseguiram solucionar o impasse em torno das cláusulas dos contratos para a comercialização do imunizante. A Pfizer não abre mão de que o governo brasileiro se responsabilize por eventuais demandas judiciais decorrentes de eventuais efeitos adversos da vacina, desde que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) tenha concedido o registro ou autorizado o uso emergencial e temporário.

Leia também

Segundo a Folha de S. Paulo, a Pfizer exige também que qualquer litígio com o governo brasileiro seja solucionado em uma Câmara Arbitral de Nova York. Outra pedida seria também que o governo renuncie à soberania de seus ativos no exterior como garantia de pagamento, bem como constitua um fundo garantidor com valores depositados em uma conta no exterior.

A vacina da Pfizer foi uma das primeiras a serem utilizadas em grande escala no planeta. De acordo com a farmacêutica, apenas Brasil, Venezuela e Argentina não aceitaram as exigências para ter o imunizante. A empresa diz seguir um padrão internacional. 

Se o trio latino-americano não chegou a um acordo com a Pfizer, o Chile concordou, assinou contrato e recebeu milhares de doses do imunizante ainda em dezembro. 

Nesta segunda-feira (22), uma reunião da qual participaram executivos do alto escalão da empresa juntamente com Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Senado e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), tentou buscar uma concordância, mas não houve sucesso. 

Executivos da Johnson & Johnson, que pretende vender a sua vacina, a Janssen, ao Brasil. No domingo (21), o Ministério da Saúde solicitou orientação ao Palácio do Planalto sobre como proceder diante do impasse que vem dificultando o avanço da vacinação pelo país.