Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.299,67
    -105,53 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Pfizer anuncia comprimido anticovid 89% eficaz para evitar hospitalização e morte

·4 min de leitura
A Pfizer enviará os dados dos testes para FDA, como parte da "apresentação contínua" para obter a autorização de uso de emergência (AFP/Don Emmert)

O laboratório Pfizer anunciou nesta sexta-feira (5) que um teste clínico sobre seu comprimido contra a covid-19 mostrou alto índice de eficácia.

Esta é a segunda pílula anticovid anunciada, após o comprimido do laboratório americano Merck Sharp & Dohme (MSD), que na realidade é um medicamento contra gripe renomeado para combater o coronavírus.

A da Pfizer foi desenvolvida especificamente para lutar contra a covid.

O medicamento, que tem o nome Paxlovid, conseguiu reduzir em 89% o risco de hospitalização ou morte entre os pacientes adultos com covid-19 com elevado risco de desenvolver formas graves da doença, segundo a Pfizer.

Os resultados do teste clínico intermediário foram considerados tão bons que o laboratório americano informou que vai interromper os exames e enviará os dados para a Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos o mais rápido possível, como parte da "apresentação contínua" para obter a autorização de uso de emergência.

O diretor executivo da Pfizer, Albert Bourla, disse depois à CNN que espera que o pedido de autorização possa chegar "antes da Ação de Graças", ou seja, antes de 25 de novembro.

"Já reservamos milhões de doses", afirmou por sua vez o presidente Joe Biden em um discurso.

O tratamento constituirá "outra ferramenta em nossa caixa de ferramentas para proteger a população dos piores resultados da covid-19", afirmou.

"A notícia de hoje é uma mudança autêntica nos esforços globais para deter a devastação desta pandemia", afirmou Albert Bourla.

"Estes dados sugerem que nosso candidato a antiviral oral, se aprovado ou autorizado pelas agências reguladoras, tem o potencial de salvar a vida dos pacientes, reduzir a gravidade das infecções por covid-19 e eliminar até nove em cada 10 hospitalizações", acrescentou.

A principal análise do teste avaliou os dados de 1.219 adultos na América do Norte, América do Sul, Europa, África e Ásia.

Nos dias imediatamente posteriores ao surgimento dos sintomas, alguns deles receberam o fármaco experimental e outros um placebo, durante cinco dias, a cada 12 horas.

"A análise intermediária programada mostrou uma redução de 89% no risco de hospitalização relacionada com a covid-19 ou morte morte por qualquer causa em comparação com o placebo em pacientes tratados dentro dos três dias posteriores ao início dos sintomas", afirmou a Pfizer.

Dez pessoas que tomaram o placebo morreram, enquanto nenhuma faleceu entre as que tomaram o medicamento.

- A busca da pílula -

A Pfizer começou a desenvolver o medicamento anticovid em março de 2020, o primeiro pensado especificamente contra o coronavírus.

O produto da Pfizer é conhecido como um "inibidor de protease" e demonstrou em exames de laboratório que bloqueia o sistema de replicação do vírus.

Se funcionar, provavelmente é eficaz apenas nos estágios iniciais da infecção, pois quando a covid progride para uma doença grave, o vírus para de se replicar em grande medida e os pacientes apresentam uma resposta imunológica mais ativa.

Desde o início da pandemia se busca uma pílula simples para combater o coronavírus, mas até o momento as terapias anticovid - como os anticorpos monoclonais e o remdesivir do laboratório Gilead, com uso autorizado na UE com o nome de Veklury - são aplicadas por via intravenosa.

Vários laboratórios trabalham em antivirais orais que tentam imitar o que o medicamento Tamiflu faz na ação contra a gripe e que evitariam a evolução da doença para etapas de gravidade.

O Reino Unido, um dos países mais afetados pela pandemia, se tornou na quinta-feira o primeiro país a aprovar um comprimido anticovid, ao autorizar o uso do medicamento antiviral molnupiravir, da MSD, para tratar pacientes que sofrem de covid leve a moderada.

"Este é um dia histórico para nosso país, porque o Reino Unido é agora o primeiro país do mundo a aprovar um antiviral contra a covid-19 que pode ser tomado em casa", afirmou o ministro da Saúde, Sajid Javid, em um comunicado.

"Isto mudará a situação para os mais vulneráveis e os imunodeprimidos, que em breve poderão receber o tratamento revolucionário", acrescentou.

O molnupiravir foi desenvolvido inicialmente como um inibidor da influenza e do vírus sincicial respiratório (duas outras importantes infecções respiratórias agudas) por uma equipe da Universidade de Emory em Atlanta, Geórgia.

O Reino Unido anunciou em 20 de outubro um pedido para 480.000 doses de molnupiravir.

ia/dw/jv/yow/lm/fp/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos