Mercado abrirá em 59 mins
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,01
    -0,12 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.781,40
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    57.126,95
    +2.436,76 (+4,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.297,99
    -93,72 (-6,73%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.018,24
    -1,29 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.990,25
    -39,25 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7147
    +0,0286 (+0,43%)
     

Pfizer começa a testar em humanos medicamento para tratar a COVID-19

Natalie Rosa
·1 minuto de leitura

A Pfizer anunciou o início dos testes em humanos de uma nova pílula para o tratamento do coronavírus, que pode ser usada assim que o paciente começar a sentir os primeiros sintomas. Caso os resultados do experimento sejam positivos, a medicação pode ser prescrita ainda no começo da infecção para bloquear a replicação viral, antes mesmo que um caso avance e se torne grave.

O medicamento atua no organismo se conectando a uma enzima chatada protease, impedindo então a replicação do coronavírus. Pílulas com a protease já são usadas para tratar outras doenças provocadas por vírus, como a hepatite C e o HIV. Mikael Dolsten, diretor-chefe científico da Pfizer, revela que não foram observados problemas inesperados no estudo, até então.

<em>Imagem: Reprodução/DragonImages/Envato</em>
Imagem: Reprodução/DragonImages/Envato

Este já é o segundo medicamento testado em humanos pela Pfizer para o tratamento da COVID-19, sendo o primeiro administrado de forma intravenosa em pacientes já hospitalizados. Se os testes iniciais trouxerem respostas positivas, a farmacêutica vai dar início aos testes das fases 2 e 3 ainda no segundo trimestre deste ano, e possivelmente fazendo um pedido de uso emergencial a FDA (Food and Drug Administration), órgão regulador norte-americano.

Enquanto o medicamento é testado com pessoas que ainda estão na fase inicial da doença, a Pfizer pensa ainda em descobrir se o remédio consegue proteger pessoas saudáveis que foram expostas ao coronavírus, como aqueles que convivem com aqueles que se infectaram. Sob o nome PF-07321332, o remédio deve ser ingerido duas vezes ao dia por cinco dias seguidos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: