Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,37
    -0,09 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.764,00
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    63.406,93
    +476,57 (+0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.397,85
    +16,90 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    14.004,50
    -9,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7218
    +0,0007 (+0,01%)
     

Pfizer/BioNTech confirma eficácia muito alta da vacina contra a variante sul-africana da covid

·1 minuto de leitura
Vacina contra covid-19 da parceria Pfizer-BioNTech

A vacina Pfizer/BioNTech conserva uma eficácia muito alta contra a variante sul-africana do coronavírus, segundo os resultados dos ensaios clínicos na África do Sul, anunciaram as duas empresas nesta quinta-feira (1º).

Não foram observados casos de covid-19 na África do Sul em pessoas vacinadas durante o ensaio de fase 3 que rastreou os participantes até seis meses depois de sua segunda injeção, segundo um comunicado conjunto.

Neste país, "800 participantes foram recrutados, foram observados nove casos de covid-19, todos no grupo placebo, o que indica uma eficácia de 100% da vacina", explica a aliança Pfizer/BioNTech.

Esses são "os primeiros resultados clínicos que comprovam que uma vacina pode proteger efetivamente contra as variantes atualmente em circulação, fator essencial para alcançar a imunidade coletiva e acabar com esta pandemia para a população mundial", explica Ugur Sahin, CEO e co-fundador da BioNTech.

A Pfizer e a BioNTech estimaram em janeiro, a partir de testes in vitro, que embora fosse "inferior" à resposta observada contra a cepa comum do vírus, "a alta eficácia" da vacina não parecia afetada contra a variante sul-africana.

Os dados dos ensaios clínicos corroboram esses resultados, segundo o comunicado de imprensa desta quinta-feira.

Dos 46.307 participantes nos ensaios de fase 3 em vários países, a vacina mostrou uma eficácia de 91,3%, segundo a mesma fonte.

Dos 927 casos sintomáticos de covid-19 no estudo, 850 casos correspondem a pacientes do grupo placebo e 77 casos ao grupo vacinado.

Os laboratórios Pfizer e BioNTech esperam fabricar em 2021 até 2.500 milhões de doses de sua vacina, uma das quatro aprovadas na União Europeia.

smk/jpl/zm/mb/aa