Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    47.799,54
    -2.974,74 (-5,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Pfizer antecipará entrega de 2 milhões de doses de vacina para o Brasil, diz ministro da Saúde

Daniel Gullino e Paula Ferreira
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA— O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta quarta-feira a antecipação de 2 milhões de doses da vacina da Pfizer para o primeiro semestre. A previsão é de que 1 milhão de doses cheguem já em abril, segundo informou sua assessoria, e as demais ao longo de maio e junho.

Cronograma divulgado em março pela pasta previa a entrega de 13,5 milhões de doses em maio, que seriam o lote total de entregas do primeiro semestre. Agora, com a antecipação de 2 milhões de unidades, o Brasil totalizará 15,5 milhões de doses do imunizante da Pfizer até junho.

— Uma boa notícia é justamente a antecipação de doses da vacina Pfizer, fruto de uma ação direta do presidente da República Jair Bolsonaro com o executivo principal da Pfizer, que resulta em 15,5 milhões de doses da Pfizer já no mês de abril, maio e junho— anunciou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em pronunciamento no Palácio do Planalto.

O Ministério da Saúde tem um contrato para aquisição de 100 milhões de doses da vacina da Pfizer, mas a maior parte deve ser entregue apenas no segundo semestre deste ano.

Além do ministro, participaram do pronunciamento o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG); o deputado federal Luizinho (PP-RJ), que representou o presidente da Câmara, Arthur Lira; e a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, Francieli Fontana, que chefiará a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19. Na véspera, foi anunciado que o ministro participaria uma entrevista coletiva. Ao final da sua fala, no entanto, não foram permitidas perguntas dos jornalistas.