Mercado abrirá em 4 h 46 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,45
    +1,16 (+1,65%)
     
  • OURO

    1.759,90
    -3,90 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    43.168,47
    -1.828,59 (-4,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.083,40
    -50,98 (-4,49%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.977,01
    +73,10 (+1,06%)
     
  • HANG SENG

    24.270,31
    +171,17 (+0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.143,00
    +133,50 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2897
    +0,0450 (+0,72%)
     

PF pede ao Planalto informações sobre encontro de deputado Luís Miranda com Bolsonaro

·1 minuto de leitura

A Polícia Federal enviou um ofício ao Palácio do Planalto solicitando informações a respeito de uma reunião realizada entre o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada no último dia 20 de março, solicitada pelo deputado para repassar ao presidente suspeitas sobre o contrato de compra da vacina Covaxin.

O encontro é um dos pontos mais importantes na investigação sobre suposta prevaricação de Bolsonaro, aberta pela PF após ordem do Supremo Tribunal Federal (STF). Miranda relata que foi ao Alvorada levar seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda, para que este relatasse a Bolsonaro as pressões sofridas para autorização do contrato.

A PF buscou a agenda oficial do presidente do dia 20 de março, um sábado, e não encontrou nenhum compromisso oficial registrado. Por isso, expediu um ofício para o ministro da Secretaria-Geral da Presidência Onyx Lorenzoni pedindo informações sobre esse encontro.

“Solicito a Vossa Excelência informações sobre o local e os horários de início e término do encontro que teria ocorrido no dia 20/03/2021 entre o senhor presidente da República, o deputado federal Luis Claúdio Fernandes Miranda e o servidor público Luis Ricardo Fernandes Miranda”, diz o ofício, assinado pelo delegado William Tito Marinho, responsável pelo caso.

Em seguida, o delegado pede “informações sobre a presença de outras pessoas, funcionários da Presidência ou não, que teriam acompanhado o encontro”.

Até agora, a PF ainda não recebeu resposta ao ofício.

Segundo os relatos do deputado e de seu irmão, na reunião no Alvorada, eles narraram a Bolsonaro suspeitas de irregularidades no contrato da Covaxin. Em resposta, Bolsonaro teria dito que enviaria o caso para investigação da PF, mas isso não ocorreu na ocasião.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos