Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.575,64
    +2.920,37 (+6,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

PF investiga suposto tráfico internacional de drogas em aviões da FAB

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Avião FAB
Presidente Jair Bolsonaro não estava no avião de apoio da FAB, onde a droga foi apreendida em 2019 (Foto: Reprodução)

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (2), uma operação para investigar uma associação criminosa que usou aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) para traficar drogas para a Espanha. Chamada de Quinta Coluna, a operação também apura um esquema de lavagem de dinheiro.

A Polícia Federal cumpre 15 mandados de busca e apreensão e dois mandados que restringem a comunicação dos investigados. Os alvos também foram impedidos de deixar o Distrito Federal, por determinação judicial.

A identidade dos envolvidos ainda não foi revelada.

Leia também:

Os agentes apreenderam também drogas na casa de um dos suspeitos.

A determinação da Justiça Federal de Brasília ainda prevê o sequestro de imóveis e veículos dos suspeitos de integrar o esquema criminoso. Militares da FAB também participam do cumprimento das medidas judiciais.

Em junho de 2019, o sargento da FAB Manoel Silva Rodrigues foi flagrado com 37 quilos de cocaína em um avião da comitiva presidencial em viagem à Espanha. As investigações mostraram que outros suspeitos se associaram ao militar “de forma estável e permanente, para a prática do crime de tráfico ilícito de drogas.

O sargento cumpre pena de seis anos e um dia de prisão na Espanha, onde fez um acordo com a promotoria. A pena inicial era de oito anos. Além disso, Rodrigues foi condenado a pagar uma multa de 2 milhões de euro.

Segundo as investigações, as estratégias do grupo criminoso para lavagem de dinheiro consistiam na aquisição de veículos e imóveis com pagamentos de altos valores em espécie,

Para os crimes de associação para o tráfico e lavagem de dinheiro, as penas previstas vão de três a 10 anos de prisão.