Mercado fechará em 4 h 8 min
  • BOVESPA

    113.282,31
    -0,36 (-0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.479,33
    +373,62 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,43
    +1,45 (+1,96%)
     
  • OURO

    1.752,00
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    43.155,37
    -259,91 (-0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.074,41
    -27,11 (-2,46%)
     
  • S&P500

    4.443,33
    -12,15 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.923,20
    +125,20 (+0,36%)
     
  • FTSE

    7.063,40
    +11,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.154,25
    -164,50 (-1,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2673
    +0,0117 (+0,19%)
     

PF investiga suposto esquema envolvendo fraude bilionária com criptomoedas

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal deflagrou operação contra uma suposta organização criminosa que seria responsável por fraudes bilionárias envolvendo criptomoedas.

A operação Kryptos, realizada nesta quarta-feira (25) em conjunto com a Receita e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público Federal, mira uma empresa com sede na Região dos Lagos (RJ) suspeita de operacionalizar um sistema de pirâmides financeiras com base na oferta pública de contrato de investimento, sem prévio registro em órgãos regulatórios.

Segundo a investigação, a empresa oferece investimentos atrelados a moedas digitais com previsão de retorno financeiro considerado insustentável.

Na operação, a 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro emitiu sete mandados de prisão preventiva, dois mandados de prisão temporária e 15 mandados de busca e apreensão nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará e no Distrito Federal.

Nos últimos seis anos, a movimentação financeira de empresas suspeitas de integrar esse suposto esquema apresentou cifras bilionárias, ainda de acordo com a PF -metade do dinheiro foi movimentado nos últimos 12 meses.

Os investigados poderão responder pelos crimes de gestão fraudulenta/temerária instituição financeira clandestina, emissão ilegal de valores mobiliários sem registro prévio, organização criminosa e lavagem de capitais, e, se condenados, poderão cumprir pena de até 26 anos de reclusão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos