Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,55
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.770,20
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    55.083,93
    -1.042,48 (-1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.236,50
    -62,46 (-4,81%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.114,06
    -571,31 (-1,92%)
     
  • NASDAQ

    13.925,00
    +27,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6775
    +0,0018 (+0,03%)
     

PF identifica dois hackers suspeitos de envolvimento em megavazamento de dados

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira (19) a operação Deepwater, que investiga o acesso, divulgação e venda de dados pessoais de brasileiros. Cinco mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva estão sendo cumpridos nos municípios de Petrolina (PE) e Uberlândia (MG). Em nota, a PF diz ter identificado o suspeito pelo heackeamento e venda de CPFs e CNPJs, além de dados como nome completo e endereço. Em janeiro, o dfndr lab, laboratório de cibersegurança da Psafe, identificou um vazamento de mais de 220 milhões de dados pessoais de brasileiros. A investigação também identificou um segundo hacker suspeito de envolvimento no crime, que estaria vendendo os dados por meio de suas redes sociais, segundo a investigação. "A divulgação de parte dos dados sigilosos foi feita gratuitamente por um usuário do referido fórum que, ao mesmo tempo, expôs à venda o restante das informações sigilosas que poderiam ser adquiridas por meio do pagamento em criptomoedas", diz a Polícia Federal em comunicado divulgado nesta sexta. As ordens de prisão e de busca e apreensão foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), a pedido da Polícia Federal. (Texto em ampliação.)