Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.761,15
    +1.480,27 (+2,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

PF faz buscas em investigação sobre compras da Saúde na gestão de Ricardo Barros

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA - A Polícia Federal (PF) fez buscas, na manhã de hoje, para apurar fraudes na aquisição de medicamentos de alto custo no Ministério da Saúde quando Ricardo Barros (PP-PR) era ministro. A Global Saúde, cujos sócios estão hoje na mira da CPI da Covid, deu um calote de R$ 20 milhões no governo federal, segundo apontam as investigações.

Foram realizados 15 mandados de busca e apreensão em Alagoas, Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo e Distrito Federal. A Global Saúde é comandada por Francisco Maximiano, presidente da Precisa Medicamentos, que vendeu a vacina indiana Covaxin ao governo federal por R$ 1,6 bilhão. O contrato foi rompido após ser investigado na CPI.

Atual líder do governo na Câmara dos Deputados, Barros é réu por improbidade administrativa junto à Global Saúde pela suspeita de ter favorecido a empresa na venda desses medicamentos. Ele não é alvo da operação nesta terça-feira."Foram encontrados indícios de inobservância da legislação administrativa, licitatória e sanitária, além do descumprimento de reiteradas decisões judiciais, com o aparente intento de favorecer determinadas empresas", diz a Polícia Federal em nota.

"A má condução dos processos de aquisição desses medicamentos causou o desabastecimento por vários meses de seus estoques do Ministério da Saúde, em prejuízo de centenas de pacientes beneficiários de ordens judiciais, o que contribuiu para o agravamento de sua saúde, podendo ter levado ao óbito ao menos 14 pacientes."

Embora a operação só tenha sido deflagrada agora, os fatos ocorreram entre 2016 e 2018, quando Barros era ministro. A ação em que Barros é acusado de improbidade pelo caso se arrasta na Justiça Federal de Brasília sem resolução.

Procurada, a Global Saúde não se pronunciou sobre a operação. Ricardo Barros disse que não é alvo da operação e que "não se comprovará qualquer irregularidade na minha conduta à frente do Ministério da Saúde. As compras foram feitas dentro das normas legais, sob decisões judiciais favoráveis e provocaram mudança na posição da Anvisa, que deixou de exigir licença de importação para medicamentos judicializados."

"Não há relação das mortes com a entrega de medicamentos. Não houve irregularidade. Economizamos R$ 5 bilhões com a renegociação de contratos, compras de medicamentos e insumos. Os valores foram reinvestidos no SUS. Processos que afrontaram grandes interesses, mas promoveram mais serviços à população", acrescentou o líder do governo.

A operação foi chamada pela PF de Operação Pés de Barro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos