Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,99
    -0,14 (-0,26%)
     
  • OURO

    1.867,20
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    29.758,45
    +225,91 (+0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    583,93
    -95,97 (-14,12%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.639,47
    -117,39 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    13.372,00
    -23,50 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5110
    +0,0026 (+0,04%)
     

PF confirma nome escolhido por Valeixo na superintendência do Rio

Isadora Peron

Pivô de uma polêmica entre o presidente Jair Bolsonaro e a Polícia Federal, o delegado Carlos Henrique Oliveira de Sousa vai ocupar o cargo Três meses depois de ser pivô de uma crise entre o presidente Jair Bolsonaro e a Polícia Federal (PF), o delegado Carlos Henrique Oliveira de Sousa foi nomeado nesta quinta-feira como novo superintendente da PF no Rio. A oficialização foi publicada no Diário Oficial da União (DOU). Em agosto, Bolsonaro atropelou a PF e afirmou que Ricardo Saadi deixaria o comando da superintendência fluminense por “questões de eficiência e produtividade”. Porteiro muda versão sobre ‘seu Jair’ em depoimento à PF Moro volta a defender federalização do caso Marielle Bolsonaro acusa Witzel de manipular polícia para atacá-lo Em nota, divulgada com o aval do diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, a corporação afirmou que a saída de Saadi já estava programada e que ele seria substituído por Sousa, que ocupava o cargo de superintendente de Pernambuco. Bolsonaro reagiu e afirmou que quem iria para o Rio, seu reduto eleitoral, era o chefe da PF no Amazonas, Alexandre Saraiva. Ele desautorizou Valeixo dizendo que, se não pudesse escolher o superintendente, poderia demitir o diretor-geral. Os ataques à PF aconteceram em um momento de estremecimento da relação entre Bolsonaro e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Questões locais no Rio, como investigações envolvendo os filhos do presidente e o deputado Hélio Negão, também vieram à tona como motivos do descontentamento de Bolsonaro com o comando da PF no Rio. Caberá a Sousa, por exemplo, comandar a investigação sobre o porteiro do condômino Vivendas da Barra, que citou o nome do presidente no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco. Desde que a crise começou, Saraiva deixou a superintendência e a corporação no Rio ficou sob a chefia interina do delegado Tacio Muzzi. Interlocutores da PF, no entanto, afirmam que o hoje o “clima institucional está pacificado”.