Mercado fechado

PF avisa ao Supremo que 'nos próximos dias' tomará depoimento de Bolsonaro sobre interferências indevidas

O presidente Jair Bolsonaro diz que o Brasil conseguiu recuperar a confiança no agronegócio

A Polícia Federal enviou um ofício ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello no qual avisa que "nos próximos dias torna-se necessária a oitiva" do presidente Jair Bolsonaro, sobre as supostas interferências indevidas na corporação.

"Informo a Vossa Excelência que as investigações se encontram em estágio avançado, razão pela qual nos próximos dias torna-se necessária a oitiva do senhor Jair Messias Bolsonaro, presidente da República", escreveu a delegada Christiane Correa Machada, coordenadora do Serviço de Inquéritos Especiais (Sinq) da PF, que conduz o inquérito contra o presidente. O ofício foi enviado na última sexta-feira.

Leia também

No ofício, a PF não informa se o depoimento será feito por escrito ou de forma presencial. O aviso a Celso de Mello foi feito pela delegada para que o ministro possa se posicionar sobre o depoimento, caso queira definir se será por escrito ou presencial.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O inquérito apura se Bolsonaro demitiu o ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo para interferir indevidamente em investigações em andamento na corporação, como apontado pelo ex-ministro da Justiça Sérgio Moro no seu pedido de demissão.

A PF recebeu nas últimas semanas cópia de investigações que podem demonstrar o interesse de Bolsonaro em interferir na corporação, como um inquérito eleitoral contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) que apura sua evolução patrimonial e foi arquivado.

O GLOBO revelou que as pressões públicas de Bolsonaro para troca do superintendente da PF no Rio começaram depois que o juiz desse caso determinou que o caso fosse enviado à PF para realização de diligências, dentre elas a tomada do depoimento do senador.

A PF também recebeu informações do Gabinete de Segurança Institucional sobre a troca nos serviços de segurança do presidente e pediu mais detalhes ao Palácio do Planalto sobre o processo de exoneração do então diretor-geral da PF Maurício Valeixo, um dos focos da investigação.'

da Agência O Globo