Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +362,83 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,88 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,00
    +0,55 (+0,62%)
     
  • OURO

    1.720,30
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    19.944,79
    -214,48 (-1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,11
    -7,01 (-1,51%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,96 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,85 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.504,25
    -37,50 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0954
    -0,0181 (-0,35%)
     

PF apreende R$ 3 milhões em criptomoedas de hacker que atacou sites do SUS

Hacker invadindo dispositivo próximo da bandeira do Brasil
Hacker invadindo dispositivo próximo da bandeira do Brasil

A PF deflagrou a Operação Dark Cloud, apreendendo R$ 3 milhões em criptomoedas de um dos suspeitos, um hacker que mora na Paraíba. O grupo alvo das operações seria o responsável por ataques realizados contra sistemas do SUS.

Além disso, estão entre os alvos outras empresas e órgãos públicos de vários países, que após serem invadidos, tinham pedidos de resgate pelos criminosos.

No final de 2021, o Ministério da Saúde teve vários de seus sistemas atacados, com sites saindo do ar na ação criminosa.

Desde esse episódio, a PF investigava quem eram os responsáveis pelos ataques.

PF apreende R$ 3 milhões em criptomoedas de hacker da Paraíba

De acordo com informações reveladas pela Polícia Federal, a Operação Dark Cloud deflagrada na última terça-feira (16) visa reunir informações para um inquérito que apura ataques cibernéticos contra sistemas de órgãos públicos no Brasil.

Durante a investigação, agentes descobriram que o grupo responsável por tais ataques pertence a uma organização criminosa transnacional. Sistemas públicos e privados de países como Brasil, Estados Unidos, Portugal e Colômbia já foram alvo de ataques de membros do grupo, que não teve o nome revelado.

Ao todo, foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão nos Estados da Paraíba, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina. As ordens judiciais foram expedidas pela Justiça Federal do Distrito Federal, após a PF identificar os suspeitos.

Um dos principais suspeitos que foi preso pela PF na ação estava na Paraíba, portando pelo menos R$ 3 milhões em criptomoedas que foram apreendidas pela autoridade. Esse suspeito ainda pode ter um imóvel avaliado em R$ 2 milhões, segundo informações reveladas pela Folha de São Paulo.

Inquérito começou após ataque a sistemas do SUS

Como em dezembro de 2021 o sistema ConecteSUS foi alvo de hackers, a PF iniciou o inquérito para apurar quem eram os responsáveis pela ação criminosa.

Ao ter acesso aos sistemas do SUS na nuvem do Ministério da Saúde, os criminosos deletaram arquivos, dados e instâncias de uma pasta alvo. O ataque então comprometeu o sistema ConecteSUS, responsável pelo Certificado Nacional de Vacinação.

Contudo, este não foi o único ataque registrado pelos membros desse grupo hacker no Brasil. Segundo a PF, CGU, Ministério da Economia, ANTT, PRF, entre outros mais foram alvos de incidentes cibernéticos.

“Além dos ataques ao Ministério da Saúde, o grupo acessou indevidamente o ambiente virtual dos seguintes órgãos: Controladoria-Geral da União, Ministério da Economia, Instituto Federal do Paraná, Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico, Escola Nacional de Administração Pública, Agência Nacional de Transporte Terrestre, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Agência Nacional de Energia Elétrica e da Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal e Polícia Rodoviária Federal.”

Os suspeitos serão acusados de crimes como organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção de menores, entre outros mais.

Fonte: Livecoins