Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.069,63
    +301,58 (+1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Petrovita: mineral recém descoberto pode permitir a criação de baterias de sódio

Patrícia Gnipper
·1 minuto de leitura

Na Rússia, pesquisadores acabaram de descobrir um mineral que pode ser o "salvador da pátria" para o mercado tecnológico. Batizado de petrovita, este mineral pode ser útil para a criação de baterias de sódio, com potencial de serem muito mais eficientes e duráveis — deixando, talvez, as baterias de lítio no passado.

O mineral, até então desconhecido, foi encontrado tanto no cone quanto nos fluxos de lava do vulcão Tolbachik, que fica na Península de Kamchatka (região oriental da Rússia). Este vulcão entrou em erupção entre os anos de 1975 e 1976, e depois entre 2012 e 2013. O nome petrovita veio em homenagem ao geólogo e cristalógrafo Tomas Petrov, professor da Universidade de São Petersburgo, com a descoberta sendo devidamente publicada na revista Mineralogical Magazine.

(Imagem: Reprodução/Universidade de São Petesburgo)
(Imagem: Reprodução/Universidade de São Petesburgo)

Com fórmula química Na10CaCu2(SO4)8, a petrovita se apresenta em aglomerados globulares azuis, formados por cristais e, por ser repleta de gases em seu interior, acaba sendo um mineral poroso e pouco denso. Em seus espaços "vazios", os átomos de sódio acabam circulando, e tal condutividade iônica faz com que o mineral tenha potencial de ser usado como um material ideal para a criação de baterias de íons de sódio.

Contudo, há um desafio a ser superado antes que a petrovita seja definida como o futuro das baterias. Conforme explica Stanislav Filatov, um dos autores da descoberta, "o maior problema para este uso é a pequena quantidade de um metal de transição — o cobre — na estrutura cristalina do mineral", mas "isso pode ser resolvido sintetizando um composto com a mesma estrutura da petrovita em laboratório".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: