Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,03
    -0,10 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.867,60
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    30.056,19
    +523,66 (+1,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    590,39
    -89,51 (-13,17%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.646,87
    -109,99 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.384,25
    -11,25 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5108
    +0,0024 (+0,04%)
     

Petroleiros da Petrobras fazem mobilização de 5 dias após TST impedir greve

Prédio da Petrobras, no centro do Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - Trabalhadores da Petrobras realizam desde a 0h desta segunda-feira uma mobilização de cinco dias, após o Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinar no sábado que petroleiros se abstenham de realizar greve, sob pena de multa diária de 2 milhões de reais a sindicatos.

Segundo a Federação Única dos Petroleiros, o movimento não tem o objetivo de afetar a produção. Uma greve havia sido anunciada na última sexta-feira pela FUP, que alega que a Petrobras está descumprindo termos de Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) recém-assinado.

Ao deferir o pedido de liminar da Petrobras, o ministro do TST Ives Gandra Martins observou que a Lei de Greve considera abusiva a paralisação deflagrada após a celebração de acordo coletivo de trabalho, a não ser em caso de descumprimento.

"No caso, no entanto, (o ministro) destacou a aparente ausência de motivação para a paralisação", segundo nota do TST.

Procurada, a Petrobras afirmou em nota que "ainda está avaliando os possíveis impactos do movimento".

A assessoria de imprensa da FUP informou que a mobilização envolverá doação de sangue por funcionários da Petrobras e visará chamar a atenção da sociedade para a chegada de manchas de petróleo, que sujou praias do Nordeste e Espírito Santo, ao Estado do Rio de Janeiro.

Após análises em laboratório, a Petrobras e o governo brasileiro informaram anteriormente que o petróleo que vem atingindo o litoral do país, há mais de dois meses, é venezuelano. A petroleira brasileira também descartou qualquer responsabilidade no episódio.

Até o momento, não se sabe como o petróleo foi despejado e quais seriam os responsáveis pelo desastre ambiental.

De acordo com o Ibama, há registro de um vestígio de óleo no município de Grussaí (RJ).

Segundo a FUP, há relatos de que o óleo atingiu praias de São João da Barra, Quissamã, Macaé e São Francisco do Itabapoana, mas a Reuters não pôde confirmar essa informação imediatamente.

"Não vamos interromper a produção nem diminuir a produção, estamos combinando ações coletivas em prol da sociedade", afirmou a FUP.

"A ação faz parte das mobilizações solidárias nacionais, que vão ocorrer até o dia 29 de novembro", disse a federação de sindicatos em nota.

No Rio, ônibus levarão petroleiros de vários pontos do Estado para doar sangue. Já em Salvador, os petroleiros sairão do Polo de Camaçari e de outros pontos da região metropolitana em direção ao banco de sangue.

(Por Roberto Samora)