Mercado fechará em 4 h 4 min
  • BOVESPA

    113.871,21
    +2.687,26 (+2,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.493,49
    +116,02 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,27
    +1,99 (+3,25%)
     
  • OURO

    1.718,30
    +2,50 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.631,65
    -1.277,75 (-2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    994,78
    +7,57 (+0,77%)
     
  • S&P500

    3.816,28
    -3,44 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    31.252,79
    -17,30 (-0,06%)
     
  • FTSE

    6.641,13
    -34,34 (-0,51%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.733,25
    +51,50 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7458
    -0,0329 (-0,49%)
     

Petroleiros apontam forte adesão em greve na Bahia; Petrobras nega impacto na produção

·2 minuto de leitura
Manifestação de petroleiros durante uma greve

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Petroleiros da Bahia iniciaram nesta quinta-feira uma greve por tempo indeterminado, com a adesão de cerca de mil trabalhadores da Petrobras, que se manifestaram contra a venda de refinaria no Estado e em outras localidades, informou em nota a Federação Única dos Petroleiros (FUP).

O movimento não afetou a produção da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), em São Francisco do Conde (BA), que está em estágio avançado de venda para o Mubadala Capital, de acordo com a Petrobras.

A petroleira, no entanto, não deu mais detalhes sobre a manifestação, como por exemplo se confirmava a adesão anunciada pela federação.

A FUP, em contrapartida, afirmou que como se trata do primeiro dia do movimento, não é possível medir se há impacto na produção da Rlam.

A paralisação teve início apesar da estatal ter afirmado anteriormente em comunicado que o movimento é ilegal e que adotará todas as medidas administrativas e jurídicas cabíveis.

Segundo a FUP, não houve troca de turno na Rlam nesta quinta-feira, enquanto trabalhadores próprios e terceirizados permaneceram do lado de fora da unidade. A refinaria tem cerca de 900 trabalhadores próprios e 1.700 terceirizados, de acordo com a federação.

A Petrobras anunciou na semana passada que o Mubadala Capital venceu disputa pela Rlam, com uma oferta de 1,65 bilhão de dólares. A assinatura do contrato, entretanto, ainda está sujeita à aprovação de órgãos competentes.

Antes de iniciar a greve, os trabalhadores entregaram à petroleira uma pauta reivindicatória relacionada à venda. Segundo a FUP, desde segunda-feira a petroleira vinha realizando reuniões com o Sindipetro-Bahia, mas não houve avanço nas conversas.

Dentre as reivindicações, os trabalhadores questionam como ficará o cronograma de transição da operação, os prazos de transferência de funcionários, critérios e prioridades, dentre vários outros questionamentos.

Em nota enviada anteriormente, a Petrobras afirmou que foi notificada no domingo pelo Sindipetro-BA sobre a intenção de realizar a paralisação e que o motivo alegado "não preenche os requisitos legais para o exercício do direito de greve".

"A greve só é legítima quando está relacionada à reivindicação de direitos dos trabalhadores, como salário e benefícios; caso contrário, é considerada abusiva. A venda da Rlam não acarretará nenhuma perda de direito ou vantagem trabalhista para os empregados da Petrobras", disse a empresa.

A Petrobras ressaltou que já garantiu que todos os empregados que optarem por permanecer na companhia serão realocados em outros ativos e áreas.

(Por Marta Nogueira)