Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.674,72
    -1.755,82 (-1,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.515,89
    -48,38 (-0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,83
    -2,04 (-2,59%)
     
  • OURO

    1.956,10
    +10,80 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    23.376,67
    +209,72 (+0,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    532,31
    +289,64 (+119,35%)
     
  • S&P500

    4.108,13
    +31,53 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    34.081,94
    -4,10 (-0,01%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.334,75
    +182,75 (+1,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5467
    +0,0311 (+0,56%)
     

Petroleiros alertam para possíveis ataques a refinarias e ministério diz que abastecimento de combustíveis está garantido

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 08.01.2023 - REFINARIAS-SEGURANÇA: Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) realizam ato golpista e invadem a praça dos Três Poderes, em Brasília, para depredar os prédios no local. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 08.01.2023 - REFINARIAS-SEGURANÇA: Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) realizam ato golpista e invadem a praça dos Três Poderes, em Brasília, para depredar os prédios no local. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

SALVADOR, BA, BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A FUP (Federação Única dos Petroleiros) emitiu uma nota alertando para possíveis ataques de manifestantes extremistas a refinarias da Petrobras, o que representaria uma nova escalada dos atos golpistas que resultaram neste domingo (8) na depredação do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e STF (Supremo Tribunal Federal).

Possíveis ataques a refinarias haviam sido anunciados por bolsonaristas nos últimos dias em redes sociais e teriam como objetivo interromper o fornecimento de combustíveis no país.

Diante das ameaças de ataques, a FUP acionou órgãos federais de segurança, o serviço de inteligência e segurança corporativa da Petrobras e o senador Jean Paul Prates, indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para assumir a presidência da Petrobras.

Em uma rede social, Prates disse que a grande quantidade de postagens convocando para mobilizações junto às refinarias merece atenção.

"Entrei em contato com o atual presidente interino em exercício, diretor de Desenvolvimento da Produção, João Henrique Rittershaussen", escreveu Prates. "O presidente em exercício da Petrobras informou que as equipes de segurança foram acionadas, bem como a segurança pública, e que as equipes da empresa estão reavaliando a situação a cada momento."

Segundo Prates, inspira preocupação um conjunto de refinarias que são citadas nas postagens.

Reduc (Refinaria Duque de Caxias, no Rio), Replan (Refinaria de Paulínia, em São Paulo), Revap (Refinaria Henrique Lage ou Refinaria do Vale do Paraíba, também em São Paulo) e Refap (Refinaria Alberto Pasqualini, no Rio Grande do Sul). Há relatos também de mobilização na Repar (Refinaria Presidente Getulio Vargas, no Paraná).

Prates destacou ainda que está contado com representantes da área de segurança.

"Também estou conversando com Flávio Dino [ministro da Justiça e Segurança Pública] e com os governadores de alguns dos estados que poderiam ser afetados por movimentações indevidas em refinarias e terminais, por parte de terroristas e vândalos na sequência dos eventos de Brasília", afirmou Prates na postagem.

Em uma rede social, o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), disse que determinou que as forças de segurança estaduais monitorem possíveis alvos de manifestações, em especial a refinaria de Duque de Caxias e o centro da cidade do Rio de Janeiro.

A Petrobras informou que as refinarias estão operando normalmente e que "está tomando todas as medidas preventivas de proteção necessárias, conforme procedimento padrão."

O MME (Ministério de Minas e Energia) divulgou nota na noite deste domingo (8) destacando que monitora a situação. "O MME, em articulação com as entidades vinculadas, tem garantido a normalidade do abastecimento nacional de combustíveis e o funcionamento adequado de refinarias, terminais e bases de distribuição", diz o texto.

"Além de monitorar o status de protestos nessas estruturas, seguimos atentos e em articulação com outras Pastas e Estados para assegurar o suprimento."

Coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar classificou as depredações dos prédios públicos em Brasília como atos terroristas e defendeu punição dos responsáveis pelos crimes.

Os atos de violência acontecem uma semana após a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na presidência da República. Os apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) se recusam a aceitar o resultado das eleições, na qual Lula se sagrou vencedor.

Os manifestantes foram insuflados pelas falas antidemocráticas de Bolsonaro, que frequentemente atacou o sistema de urnas eletrônicas e insinuou que poderia tomar alguma atitude contra a democracia. Bolsonaro deixou o país dias antes da posse e está nos Estados Unidos.

*

VEJA A SITUAÇÃO EM REFINARIAS, SEGUNDO INFORMAÇÕES DA FUP ÀS 23H

Santa Catarina

Cerca de 80 manifestantes na rodovia SC 407, no acesso à distribuidora de combustíveis da Petrobras, em Biguaçu/SC. Não há bloqueio de vias. Presença de forças de segurança no local.

Amazonas

Cerca de 50 manifestantes nas vias de acesso à Refinaria Isaac Sabbá (Reman). Há intenção de impedir entrada de caminhões de abastecimento e há presença de forças de segurança.

Pará

Manifestantes bloqueiam a BR-163 em Novo Progresso e Altamira. PRF presente nos dois locais, monitorando e negociando com manifestantes.

Rio Grande do Sul

Em Canoas/RS, cerca de 120 manifestantes em frente à Refinaria Alberto Pasqualini (Refap). Funcionários acessam o local normalmente. Há forças de segurança.

Refinaria Duque de Caxias

Há informações de que um ônibus estaria levando bolsonaristas até os portões da refinaria. A Polícia Militar do Rio de Janeiro informou, na noite deste domingo, que a Tropa de Choque está em frente ao local.