Mercado fechará em 2 h 59 min
  • BOVESPA

    110.188,65
    +48,01 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.840,28
    -34,63 (-0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,34
    +1,46 (+1,92%)
     
  • OURO

    1.887,50
    -43,30 (-2,24%)
     
  • BTC-USD

    23.607,88
    -235,08 (-0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    539,75
    +2,89 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.171,14
    -8,62 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    34.089,60
    +35,66 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.905,86
    +85,70 (+1,10%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.828,50
    -18,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5539
    +0,0642 (+1,17%)
     

Petroleiros alertam para possíveis ataques a refinarias

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - A FUP (Federação Única dos Petroleiros) emitiu uma nota alertando para possíveis ataques de manifestantes extremistas a refinarias da Petrobras, o que representaria uma nova escalada dos atos golpistas que resultaram neste domingo (8) na depredação do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e STF (Supremo Tribunal Federal).

Possíveis ataques a refinarias haviam sido anunciados por bolsonaristas nos últimos dias em redes sociais e teriam como objetivo interromper o fornecimento de combustíveis no país. Um dos alvos seria a Refinaria de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.

Em uma rede social, o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), disse que determinou que as forças de segurança estaduais monitores possíveis alvos de manifestações, em especial a refinaria de Duque de Caxias e o centro da cidade Rio de Janeiro.

Diante das ameaças de ataques, a FUP acionou órgãos federais de segurança, o serviço de inteligência e segurança corporativa da Petrobras e senador Jean Paul Prates, indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para assumir a presidência da Petrobras.

Coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar classificou as depredações dos prédios públicos em Brasília como atos terroristas e defendeu punição dos responsáveis pelos crimes.

Os atos de violência acontecem uma semana após a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na presidência da República. Os apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) se recusam a aceitar o resultado das eleições, na qual Lula se sagrou vencedor.

Os manifestantes foram insuflados pelas falas antidemocráticas de Bolsonaro, que frequentemente atacou o sistema de urnas eletrônicas e insinuou que poderia tomar alguma atitude contra a democracia. Bolsonaro deixou o país dias antes da posse e está nos Estados Unidos.