Mercado abrirá em 8 mins
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,25
    -0,38 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.793,90
    +9,60 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    57.614,16
    +2.240,50 (+4,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.478,86
    +73,55 (+5,23%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,34 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.049,04
    +9,74 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.480,50
    -10,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4449
    +0,0180 (+0,28%)
     

Petroleira da Líbia retira força maior sobre embarques pelo porto de Hariga

·1 minuto de leitura

(Reuters) - A petroleira líbia NOC retirou a força maior sobre carregamentos de petróleo do porto de Hariga, ao leste do país, depois de chegar a acordo em uma disputa financeira com o Governo de Unidade Nacional (GNU), disse a companhia nesta segunda-feira, o que abre caminho para uma produção maior.

A Arabian Gulf Oil Company (AGOCO), subsidiária da National Oil Corporation (NOC) que opera o porto de Hariga, disse neste mês que estava suspendendo a produção porque não havia recebido nenhum financiamento estatal desde setembro.

A força maior foi declarada pela NOC em 19 de abril.

A NOC disse que o governo deveria direcionar 225 milhões de dólares a ela como parte do acordo para encerrar a força maior declarada para as exportações via Hariga.

A produção de petróleo da Líbia, que é membro da Opep, caiu em 300 mil barris por dia (bpd), para 1 milhão de bpd, devido às disputas orçamentárias, disse a NOC na semana passada.

A produção de 1,3 milhão de bpd era uma máxima de oito anos para o país, que produzia cerca de 1,6 milhão de bpd antes de uma guerra civil que eclodiu há uma década.

A Líbia, assim como Irã e Venezuela, está isenta de cortes de oferta liderados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, uma aliança conhecida como Opep+.

(Por Angus McDowall e Ahmad Ghaddar)