Mercado fechado

Petroleira 3R prevê 150 perfurações e investimentos de US$300 mi em 2023, diz CFO

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) -A petroleira brasileira 3R Petroleum planeja perfurar 150 poços em 2023, sendo mais de 30 no Polo Macau, na Bacia Potiguar, como parte de investimentos previstos de 300 milhões de dólares para o próximo ano, afirmou o diretor financeiro da companhia, Rodrigo Pizarro.

A operação e o desenvolvimento de seus ativos são agora o grande foco da companhia, depois de ela ter comprado mais de 2 bilhões de dólares em nove ativos que eram da Petrobras desde 2018.

Pizarro explicou que a companhia já mobilizou a primeira sonda de perfuração e tem mais duas sendo mobilizadas neste momento. Outras três sondas estariam já mapeadas e em negociação para chegar no próximo ano.

"No total a gente vai ter seis sondas de perfuração em atividade até o fim de 2023, sendo duas no Polo Potiguar", afirmou o executivo, ao participar de teleconferência com analistas de mercado sobre os resultados da empresa no terceiro trimestre.

Executivos da empresa pontuaram não ver risco para a obtenção de sondas para as atividades planejadas, mesmo diante dos altos preços do Brent que impulsionam as buscas por sondas de perfuração no mercado internacional.

A empresa também trabalha para ter cerca de 14 sondas para "workover", que são atividades realizadas em um poço já perfurado para melhorias da operação. Serão feitas diversas intervenções em poços que já estavam perfurados nos ativos adquiridos.

A primeira sonda de perfuração contratada da companhia, vinda do Peru, está em fase de inspeção e mobilização no Rio Grande do Norte, com estimativa para início das perfurações em dezembro de 2022 no Polo Macau, seguido de Polo Areia Branca, disseram executivos da companhia.

A petroleira não prevê elevar a alavancagem da empresa de forma substancial para fazer frente aos investimentos previstos.

"Não pretendemos fazer nenhuma nova rodada de financiamento, claro que eventualmente para alguma perfuração de poço offshore por exemplo a gente pode trazer alguma alavancagem, alguma dívida menor, porém não há nenhuma pretensão de trazer grande dívida para fomentar capex", afirmou Pizarro.

Para 2024, a empresa prevê investimentos de cerca de 480 milhões de dólares.

O lucro líquido da companhia no terceiro trimestre somou 469,8 milhões de reais, contra prejuízo de 14,1 milhões de dólares um ano antes. O Ebitda ajustado registrou 192,6 milhões de reais, alta de 83,6% na mesma comparação.

O resultado, segundo a empresa, foi suportado por operação resiliente que alcançou em setembro uma produção diária média recorde de mais de 16 mil barris de óleo equivalente por dia.

(Por Marta Nogueira; edição de Roberto Samora)