Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.714,77
    -1.353,77 (-1,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.060,04
    +334,08 (+0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,04
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.802,20
    +4,20 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    17.241,20
    +445,30 (+2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,43
    +11,74 (+2,97%)
     
  • S&P500

    3.960,07
    +26,15 (+0,66%)
     
  • DOW JONES

    33.763,86
    +165,94 (+0,49%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.664,50
    +155,00 (+1,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5030
    +0,0366 (+0,67%)
     

Petrobras vende 1ª carga de diesel R5 para testes; aguarda regulamentação

Unidade da Petrobras em Paulínia

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras concluiu neste mês a primeira venda para testes comerciais do diesel R5, produzido a partir do coprocessamento de óleos vegetais, disse a empresa nesta quinta-feira.

A produção vendida a distribuidoras, realizada na refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, chegou a um total de 1.500 metros cúbicos.

"Trata-se de um importante passo para a venda regular e de maiores volumes do produto", disse a Petrobras, citando que atualmente está em discussão no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) a possibilidade desse produto também ser considerado no mandato de biocombustível presente no diesel.

"Caso seja aceita, a introdução do novo combustível viabilizará a utilização de teores mais elevados de renováveis nos novos motores a diesel, possibilitando, também, o aumento da competitividade na oferta de biocombustíveis no Brasil", acrescentou a petroleira.

O Brasil mistura atualmente 10% de biodiesel no diesel, após o governo ter definido uma mistura menor para 2022 citando questões de custos e qualidade. O "mix" deveria estar em 14%, conforme o cronograma original do programa.

No caso da carga comercializada pela Petrobras, ela foi produzida a partir de óleo de soja refinado.

O combustível com teor renovável saiu da refinaria da Petrobras com 95% de diesel e 5% de R5.

Neste produto, as distribuidoras farão a adição dos 10% de biodiesel éster, conforme estabelece a legislação atual.

Uma novidade no lote comercializado, ressaltou a empresa, foi a emissão de declarações para as distribuidoras que adquiriram o produto, indicando a redução da emissão de gases de efeito estufa.

No caso do diesel R5, evita-se, potencialmente, a emissão de uma tonelada de CO2 equivalente a cada 9,5 mil litros, aproximadamente, comparando-se com o diesel 100% fóssil, disse a companhia.

No cálculo, estão consideradas as emissões do combustível fóssil durante as etapas de extração, produção e uso.

(Por Roberto Samora)