Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,55
    -0,66 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.839,80
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    30.185,66
    +1.182,14 (+4,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    671,63
    +19,39 (+2,97%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.120,68
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.468,69
    +65,85 (+0,25%)
     
  • NASDAQ

    11.960,50
    +82,25 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1703
    -0,0485 (-0,93%)
     

Petrobras: Senado diz que privatização 'não está no radar'

Presidente do Senado não vê a privatização da Petrobras como prioridade
Presidente do Senado não vê a privatização da Petrobras como prioridade
  • Petrobras: na quarta-feira, o novo ministro de Minas e Energia, afirmou que a privatização era prioridade;

  • Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, não vê a desestatização "no radar " no momento;

  • Pacheco reconhece a Petrobras como um “ativo nacional” e que “precisa ser valorizada”

Apesar do novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, ter afirmado nesta quarta-feira (11), que pedirá estudos ao governo sobre a eventual privatização da Petrobras, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse, nesta quinta-feira (12), que a desestatização da empresa "não está no radar" no momento.

"Em relação a esse tema, eu já disse outras vezes e reitero que os estudos, o aprofundamento de modelos, de possibilidades, eu acho importante que tenhamos um estudo aprofundado sobre possibilidades relativamente à Petrobras. Mas não considero que esteja no radar ou na mesa de discussão neste momento a privatização da empresa porque o momento é muito ruim para isso", afirmou Pacheco após uma reunião com secretários da Fazenda dos estados.

Pacheco, que reconhece a estatal como um “ativo nacional”, ainda afirmou que os estudos sobre o tema podem ocorrer o quanto for necessário, "mas não é uma medida rápida de ser tomada".

"Essa definitivamente não é uma solução de curto prazo. Não se tem compreensão nem se é uma solução de médio e longo prazos. Estudos podem ser feitos, é o papel do ministro fazer todos os estudos necessários. Mas entre o estudo e a realidade de concretização disso há uma distância muito longa e da qual o Congresso Nacional não se apartará", acrescentou.

As declarações do presidente do Senado vem na contramão do que Sachsida classificou como primeira medida à frente da pasta de Minas e Energia. O pronunciamento de posse do novo ministro ocorreu nesta quarta-feira.

"Meu primeiro ato como ministro será solicitar ao ministro [da Economia] Paulo Guedes, presidente do Conselho do PPI [Programa de Parcerias de Investimentos], que leve ao conselho a inclusão da PPSA no PND [Programa Nacional de Desestatização] para avaliar as alternativas para sua desestatização", disse Sachsida.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos