Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.734,11
    -2.631,39 (-5,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Petrobras admite ter ‘prêmio por performance’ para líderes

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
Aumentos no combustível causaram crise na liderança da Petrobras. (Foto: Getty Images)
Aumentos no combustível causaram crise na liderança da Petrobras. (Foto: Getty Images)

A petroleira brasileira Petrobras divulgou publicamente uma nota em que revela que seu presidente e diretores não recebem reajuste salarial desde 2016.

As informações são de reportagem do portal G1.

Leia também:

No entanto, a Petrobras admite que os funcionários, inclusive a liderança, recebem “prêmios por performance”.

Para ganhar esse prêmio, de valor não divulgado, a empresa precisa ter no mínimo R$ 10 bilhões de lucro líquido.

O oferecimento de bônus por performance é prática comum no mercado.

A liderança da empresa está na mira do bolsonarismo; Bolsonaro acusa os líderes da empresa de “não ir trabalhar” por conta do regime de home-office, e anunciou a demissão do presidente Roberto Castello Branco, em meio a uma crise por conta de sucessivos aumentos no preço do combustível.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O mercado brasileiro passou uma segunda-feira de tensão, com a intervenção de Bolsonaro na presidência da Petrobras. Com a demissão de Roberto Castello Branco, em meio a uma sequência de altas no valor dos combustíveis, Bolsonaro mandou um sinal claro para os investidores: ele está disposto a colocar a mão no mercado para defender sua popularidade.

Analistas imediatamente viram isso como talvez o indicativo mais forte até agora da “derrota” do ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua agenda liberal, que advogado pelo exato oposto: intervenção mínima do estado na economia.

A ação de Bolsonaro é algo como um filme de terror para os liberais e investidores, e por isso as ações da petroleira desabaram na bolsa de valores.

Guedes já vinha em baixa, com dificuldades de emplacar sua agenda liberal e privatizante, ao ponto de ver aliados desembarcarem ao longo do ano passado, como o ex-secretário da economia Salim Mattar, que tinha como responsabilidade acelerar o projeto de venda de empresas estatais. Mattar saiu em agosto, argumentando inviabilidade de executar seu trabalho.

Ele foi um dos primeiros a comentar a crise da Petrobras da perspectiva da situação do ministro Paulo Guedes, em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo:

"O ministro Guedes é resiliente, obstinado e determinado, mas não percebeu que foi vencido", disse Mattar.

Mas não foi apenas o ex-secretário que fez a mesma avaliação. Observadores do mercado decretaram um “cair de máscara” da suposta agenda liberal de Bolsonaro.

O investidor Lawrence Pih, em entrevista à Folha de S.Paulo, foi até mais longe, prevendo uma demissão de Guedes.

"Bolsonaro, quando candidato, vendeu a imagem de pró-mercado, pró-capitalismo e antiestatizante. Os incautos, agora, o enxergam sem maquiagem: estatizante, anti-capitalismo, anti-economia de mercado, socialista, populista, autoritário e uma ameaça à democracia. Receio pelo futuro do nosso país", disse.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube