Mercado abrirá em 7 h 39 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,38
    -0,14 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.729,20
    -1,30 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    20.163,07
    +534,89 (+2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    457,49
    +12,05 (+2,71%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.998,80
    +919,29 (+5,38%)
     
  • NIKKEI

    27.103,94
    +111,73 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    11.578,50
    -62,25 (-0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1510
    -0,0169 (-0,33%)
     

Petrobras reduz preço do querosene de aviação em 10,4% a partir de 1º de setembro

*Arquivo* Logomarca da Petrobras em Cabo Frio, no Rio de Janeiro; estatal reduz em 10,4% preços de venda de querosene de aviação. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)
*Arquivo* Logomarca da Petrobras em Cabo Frio, no Rio de Janeiro; estatal reduz em 10,4% preços de venda de querosene de aviação. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (26) corte de 10,4% no QAV (querosene de aviação) para distribuidoras a partir do dia 1º de setembro. É o segundo mês seguido de redução no preço do combustível após a escalada que fez os preços das passagens aéreas dispararem.

O preço do QAV é reajustado mensalmente e começa a reagir à queda das cotações internacionais. Em agosto, a Petrobras reduziu em 2,6% o valor de venda do produto por suas refinarias. Em dois meses, portanto, o preço do produto cairá 12,7%.

Antes dos cortes, segundo a Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), o querosene de aviação acumulava alta de 70,6% em 2021. Em maio, o preço médio das passagens aéreas no Brasil atingiu o maior valor em dez anos.

Em nota, a Petrobras disse que sua política de preços do QAV busca equilíbrio com o mercado internacional e acompanha as variações do valor do produto e da taxa de câmbio. Suas refinarias vendem o produto para distribuidoras, que são os fornecedores das companhias aéreas.

A estatal não tinha costume de divulgar em notas as variações de preços do QAV, mas passou a fazê-lo em agosto, na primeira queda do ano. Naquela ocasião, divulgou um comunicado que incluía cortes nos preços da gasolina de aviação e do asfalto.

A redução dos preços dos combustíveis é um dos principais trunfos da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) pela reeleição. Desde o fim de junho, os preços da gasolina, do diesel e do etanol vêm em queda nas bombas.

O movimento é resultado, primeiro, de cortes nos impostos federais e estaduais aprovados pelo Congresso e, depois, de repasses da queda das cotações internacionais do petróleo aos preços de venda da Petrobras.

Bolsonaro chegou a propor este mês isenção tributária para o querosene de aviação, mas com vigência apenas a partir de 2023. O tema, segundo o presidente, será discutido no debate sobre o orçamento do próximo ano.

"Garantimos continuar com zero imposto federal na gasolina, no diesel e no gás de cozinha", disse ele na semana passada. "Pedi para o pessoal zerar agora querosene de aviação", completou.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), as passagens aéreas de voos domésticos acumularam inflação de 122,4% em 12 meses até junho. A alta foi a maior entre os 377 subitens que compõem o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).