Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.664,35
    -786,85 (-0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.102,55
    -339,66 (-0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,41
    +0,18 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.671,00
    +2,40 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.484,45
    -73,19 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,04
    -0,94 (-0,21%)
     
  • S&P500

    3.640,47
    -78,57 (-2,11%)
     
  • DOW JONES

    29.225,61
    -458,13 (-1,54%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,93
    +0,06 (+0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.042,42
    -379,63 (-1,44%)
     
  • NASDAQ

    11.230,75
    +2,50 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3059
    +0,0079 (+0,15%)
     

Petrobras reduz preço do gás de cozinha em 4,7%

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 10.03.2022 - Consumidor em ponto de venda de gás de cozinha na av. São Miguel, na zona leste de SP. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 10.03.2022 - Consumidor em ponto de venda de gás de cozinha na av. São Miguel, na zona leste de SP. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (12) redução de 4,7% no preço do GLP (gás liquefeito de petróleo), o gás de cozinha vendido em botijão, para as distribuidoras. A baixa entra em vigor nesta terça-feira (13).

Com o corte, o preço para as distribuidoras passará de R$ 4,23 por quilo para R$ 4,03 por quilo, uma baixa de R$ 0,20. Assim, o recuo em um botijão de 13 quilos será, em média, de R$ 2,60.

"Essa redução acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações e da taxa de câmbio", disse a estatal em nota.

A companhia passou a anunciar cortes nos valores dos combustíveis a conta-gotas às vésperas das eleições. Levantamento do OSP (Observatório Social do Petróleo) a pedido da Folha mostra que a Petrobras adotou estratégias diferentes de precificação nos momentos de alta e de baixa das cotações internacionais do petróleo em 2022.

Quando o petróleo subia, a empresa realizava menos reajustes e praticava preços abaixo das cotações internacionais, segurando o repasse às bombas. Com o petróleo caindo, passou a anunciar reduções frequentes e acompanhar o mercado externo mais de perto.

Para Eric Gil Dantas, economista do OSP e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais, os dados indicam que a execução da política de preços da Petrobras esteve sujeita a pressões políticas durante o ano eleitoral.