Mercado fechará em 3 h 19 min
  • BOVESPA

    116.933,72
    +799,26 (+0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    +462,53 (+1,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,48
    +2,85 (+3,41%)
     
  • OURO

    1.736,70
    +34,70 (+2,04%)
     
  • BTC-USD

    20.056,83
    +691,12 (+3,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,73
    +10,30 (+2,31%)
     
  • S&P500

    3.785,02
    +106,59 (+2,90%)
     
  • DOW JONES

    30.278,42
    +787,53 (+2,67%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.650,50
    +364,75 (+3,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1416
    +0,0677 (+1,33%)
     

Petrobras reduz preço do diesel nas refinarias em 5,8%

*Arquivo* Logomarca da Petrobras em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)
*Arquivo* Logomarca da Petrobras em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (19) corte de 5,8% no preço do diesel vendido por suas refinarias. A partir desta terça (20), o produto sairá, em média, a R$ 4,89 por litro, queda de R$ 0,30 em relação ao preço atual.

Considerando que o diesel vendido nos postos tem 10% de biodiesel, a estatal estima um repasse de R$ 0,27 por litro ao consumidor final. Foi a terceira redução no preço do diesel na gestão Caio Paes de Andrade. A última, no dia 12 de agosto, foi de 4%.

Com a nova redução, a Petrobras volta a praticar preço equivalente ao de maio de 2022. Mesmo após os três cortes consecutivos, o valor de venda do produto pela estatal ainda acumula alta de 46% no ano.

Em nota, a Petrobras diz que a decisão "acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações e da taxa de câmbio."

Segundo a Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), o preço médio do diesel nas refinarias brasileiras estava R$ 0,47 por litro acima da paridade de importação, conceito usado pela Petrobras em sua política de preços.

Tem ficado acima da média internacional desde o fim de agosto, embora em valores menores do que o atual.

Para o Goldman Sachs, o diesel vendido pela estatal permanece 7% acima da cotação internacional, mesmo após o corte anunciado nesta segunda. Desde a última redução, disseram analistas do banco o preço do combustível caiu 6% no Golfo do México, principal referência para o Brasil.

Assim, as margens consolidadas de refino da estatal permanecem em níveis saudáveis, escreveram os analistas Bruno Amorim, João Frizo e Guilherme Costa Martins.

Fundamental para o transporte de cargas no país, o diesel foi menos impactado pelos cortes de impostos aprovados pelo Congresso no fim de junho e caiu bem menos do que a gasolina e do que o etanol nos postos.

Na semana passada, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) custava em média R$ 6,84 por litro, queda de apenas 9,6% desde a aprovação da lei. A gasolina, que tinha impostos mais altos, caiu 32,1% no mesmo período, também impulsionada por reduções nas refinarias.

A queda dos preços dos combustíveis é um dos trunfos da campanha à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL), que teve a imagem desgastada pela escalada inflacionária do primeiro semestre. Para gerar fatos positivos, a Petrobras passou a anunciar cortes quase todas as semanas.

Na semana passada, foi o gás de cozinha, que caiu 4,7% nas refinarias da estatal. Na última semana de agosto, houve anúncios de cortes nos preços do querosene de aviação, da gasolina de aviação e do asfalto, produtos que não eram alvo de divulgação pela empresa até dois meses atrás.

Neste domingo, Bolsonaro aproveitou viagem para o funeral da rainha Elizabeth 2ª e visitou um posto de gasolina em Londres, onde gravou vídeo afirmando que a gasolina inglesa é mais cara do que a brasileira — sem considerar, porém, as diferenças de poder aquisitivo entre os dois países.

No vídeo, que foi compartilhado em redes sociais por ministros e apoiadores, o presidente voltou a afirmar que o Brasil tem uma das gasolinas mais baratas do mundo.

Na semana passada, o país estava na 34ª colocação das gasolinas mais baratas, de acordo com o site Global Petrol Prices. É um avanço de 15 posições em relação ao verificado um mês antes. No caso do diesel, o país ocupava a 83ª posição da lista.