Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.545,26
    -499,44 (-2,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Petrobras reduz preço do diesel em 5,78%, maior corte do ano

Tanques de combustíveis

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) -O preço médio de venda de diesel A da Petrobras para as distribuidoras passará de 5,19 para 4,89 reais por litro a partir de terça-feira, uma redução de 5,78%, disse a empresa em nota nesta segunda-feira.

Essa foi a terceira redução no preço do diesel pela Petrobras neste ano, sendo a maior redução percentual realizada pela empresa em 2022. Em agosto, a companhia havia reduzido o valor do combustível mais vendido no país em duas oportunidades, em 4% e 3,56%.

O valor nominal do diesel da Petrobras para as distribuidores é o menor desde o início de maio.

O movimento da Petrobras acontece em meio a cotações do petróleo pressionadas no mercado internacional por preocupações com uma demanda global mais fraca devido a questões econômicas, antes de possíveis fortes aumentos nas taxas de juros.

Mas a mudança também coincide com o calendário eleitoral no Brasil, notou um especialista, citando que isso acaba sendo usado por candidatos à Presidência.

"Os preços dos combustíveis lá fora seguem mais baixos por conta das revisões de crescimento da economia global. Isso tem pressionado a menor os preços", afirmou à Reuters o professor do Ibmec e economista Gilberto Braga.

"Isso chama atenção por ser um momento eleitoral, que é delicado, e combustíveis acabam virando um instrumento de campanha para um e ataque para outro", acrescentou.

Segundo nota da companhia, a "redução acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações e da taxa de câmbio".

Para o consumidor final, o preço também é determinado por margens de outros integrantes da cadeia, como postos, e itens como tributos e mistura de biodiesel.

(Por Roberto Samora, Gabriel Araujo e Rodrigo Viga Gaier; edição de Letícia Fucuchima)