Mercado fechará em 6 h 24 min
  • BOVESPA

    107.565,80
    +1.093,88 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,38
    -0,63 (-0,71%)
     
  • OURO

    1.798,50
    +7,30 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    24.048,22
    +886,50 (+3,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    561,82
    +18,94 (+3,49%)
     
  • S&P500

    4.171,10
    +25,91 (+0,63%)
     
  • DOW JONES

    32.991,66
    +188,19 (+0,57%)
     
  • FTSE

    7.507,03
    +67,29 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    20.045,77
    -156,17 (-0,77%)
     
  • NIKKEI

    28.249,24
    +73,37 (+0,26%)
     
  • NASDAQ

    13.262,75
    +34,00 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2045
    -0,0621 (-1,18%)
     

Petrobras reduz em 4,9% preço da gasolina a partir de quarta-feira; primeiro corte em 2022

Placa com preços de combustíveis em Brasília

(Reuters) - A Petrobras anunciou, nesta terça-feira, uma redução de 4,9% no preço médio da gasolina vendida para as distribuidoras, de 4,06 reais o litro para 3,86 reais, que passa a valer a partir de quarta-feira.

É a primeira redução feita pela petroleira desde dezembro do ano passado e retoma o patamar médio de preços das refinarias que era praticado entre maio e junho.

O movimento ocorre enquanto o presidente Jair Bolsonaro continua a pressionar intensamente a liderança da empresa para reduzir os preços na bomba antes das eleições de outubro.

Mais cedo, Bolsonaro afirmou a um grupo de apoiadores que a companhia passaria a dar "boa notícia".

"Acho que a Petrobras vai achar seu rumo agora, com o novo presidente. Vai começar a dar boa notícia para a gente", disse ele referência à chegada de Caio Paes de Andrade, que tomou posse na presidência executiva da estatal no final do mês passado.

O último reajuste sobre os preços da gasolina foi realizado em 18 de junho, com aumento de 5,18%, ainda sob a gestão de José Mauro Coelho.

Em comunicado nesta terça-feira, a Petrobras informou que a redução acompanha a evolução dos preços internacionais de referência, "que se estabilizaram em patamar inferior para a gasolina".

Segundo a companhia, a medida é coerente com sua prática de preços, que busca o equilíbrio junto ao mercado global, mas também repassa aos valores internos a volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio.

A estatal afirmou ainda que, considerando a mistura obrigatória de 73% de gasolina A (pura) e de 27% de etanol anidro para a composição da gasolina, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará, em média, de 2,96 reais para 2,81 reais a cada litro vendido na bomba.

A redução de 0,20 real anunciada, porém, ficou abaixo da diferença positiva entre os preços praticados no Brasil e os do mercado internacional. Segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), na segunda-feira, antes do anúncio da Petrobras, o preço interno estava 0,30 real acima do produto importado.

Com diversos acontecimentos em todo o mundo que têm impacto direto na oferta e demanda do produto --como a guerra na Ucrânia, expectativa de recessão da economia global e lockdowns na China causados pela Covid--, as cotações do petróleo têm apresentado forte volatilidade.

Na segunda-feira, o petróleo Brent, usado como referência pela Petrobras, fechou com alta 5%. No dia 12, havia recuado 7,11%, ficando abaixo de 100 dólares pela primeira vez em três meses.

Na B3, as ações preferenciais da empresa subiam cerca de 1,7% durante a tarde, contra alta de 1% do Ibovespa.

(Por Rafaella Barros e Gabriel Araujo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos