Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,01 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.866,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    42.902,56
    -2.661,89 (-5,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.195,01
    -2,91 (-0,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.300,75
    -2,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4104
    +0,0064 (+0,10%)
     

Petrobras reduz preço do óleo diesel em 2,2% nas refinarias

NICOLA PAMPLONA
·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras anunciou nesta sexta (9) corte de 2,2% no preço do óleo diesel em suas refinarias. É a segunda redução em abril, após a escalada verificada no início de 2021 usada pelo presidente Jair Bolsonaro para justificar a troca no comando da estatal. O preço da gasolina, que também já foi reduzido em março, permanecerá inalterado. Segundo a empresa, a partir deste sábado (10), o preço médio de venda do diesel nas refiarias R$ 2,66 por litro, redução de R$ 0,08 por litro em relação à média vigente até esta sexta. O corte acompanha a variação das cotações internacionais e a queda do dólar. Ocorre em um momento de pressão nos preços diante da perspectiva de aumento do biodiesel, que representa 13% da mistura vendida nos postos. Além disso, em maio acaba o período de isenção de impostos federais sobre o combustível, que também tende a pressionar o preço final. Uma terceira fonte de pressão vem da carga tributária: pela segunda vez após a isenção de impostos federais sobre o preço do óleo diesel, estados elevaram no início do mês o preço de referência para a cobrança de ICMS sobre o combustível. Desta vez, a alta ocorreu em 19 estados e no Distrito Federal. A Fecombustíveis (Federação do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes) diz que, mantidas as condições de preço do último leilão de biodiesel iniciado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), o biocombustível passaria a contribuir com R$ 0,67 por litro para o preço de bomba. Isso porque as ofertas de venda no leilão chegaram a R$ 7,50 por litro, quase R$ 3 a mais do que o valor médio do último leilão, em fevereiro — valor que já representava alta de 56% em relação ao mesmo período do ano anterior. Diante do preço elevado, a ANP suspendeu o leilão e o governo agora estuda reduzir o percentual de mistura obrigatória para tentar conter a escalada. "Estamos fazendo um alerta ao governo sobre as altas de preços do diesel que estão por vir, principalmente com o retorno da cobrança do PIS/Cofins do diesel", disse em nota o presidente da Fecombustíveis, Paulo Miranda. A alta do diesel é um dos fatores que contribuíram para que o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de março ter atingido o maior patamar desde 2015, 0,93%. Em 12 meses, a inflação chegou a 6,10%, valor superior ao teto da meta para 2021, de 5,25%. Em nota, a Petrobras diz que "é importante reforçar que os preços praticados pela Petrobras buscam equilíbrio com o mercado internacional e acompanham as variações do valor dos produtos e da taxa de câmbio, para cima e para baixo". "Os reajustes são realizados a qualquer tempo, sem periodicidade definida, de acordo com as condições de mercado e da análise do ambiente externo. Isso possibilita a companhia competir de maneira mais eficiente e flexível e evita o repasse imediato da volatilidade externa para os preços internos", completou a estatal. Na quinta (8), Bolsonaro voltou a criticar a empresa, classificando como "inadmissível" reajuste de 39% no preço do gás natural vendido às distribuidoras de gás canalizado. Mais uma vez, a declaração foi vista pelo mercado como sinal de que o governo pretende intervir na política comercial da empresa. Indicado por Bolsonaro, o general Joaquim Silva e Luna deve ter seu nome ratificado em assembleia de acionistas na próxima segunda (12). Na assembleia, acionistas minoritários da empresa vão tentar reduzir o poder do governo no conselho de administração da estatal, em uma ofensiva para limitar a possibilidade de interferência política na gestão da empresa. A ideia é tentar emplacar ao menos dois nomes independentes nas vagas do conselho reservadas ao acionista majoritário, dobrando o número de representantes de minoritários no colegiado.