Mercado fechado

Petrobras reduz gasolina em 4% a partir de sexta; diesel segue estável

Por Rodrigo Viga Gaier
·2 minutos de leitura
.
.

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras reduzirá os preços da gasolina em suas refinarias em 4% a partir de sexta-feira, enquanto as cotações do diesel não sofrerão alteração, informou a companhia nesta quinta-feira, por meio da assessoria de imprensa.

O reajuste na gasolina é o segundo para o combustível em outubro e ocorre após um aumento de 4% aplicado a partir do dia 10, ocasião em que a companhia também havia elevado em 5% os valores do diesel.

Esse é o primeiro movimento de queda na cotação da gasolina em mais de um mês --a última redução havia ocorrido em 10 de setembro e, desde então, a estatal promovera três aumentos consecutivos nos preços.

Com o novo reajuste, o valor médio da gasolina nas refinarias chegará a 1,7414 real por litro, segundo dados da Petrobras compilados pela Reuters.

A cotação da gasolina passa com isso a acumular queda de cerca de 9,2% frente aos valores vistos no início do ano.

O preço na refinaria, no entanto, segue distante das mínimas de 2020, registradas de meados de abril ao final de maio--quando, no auge do impacto das medidas restritivas impostas por causa da pandemia de coronavírus, o litro chegou a custar menos de 1 real.

A Petrobras defende que sua fórmula de preços tem como base a chamada paridade de importação, que leva em conta o valor do petróleo no mercado internacional e o câmbio, entre outros fatores.

Nesta quinta-feira, o petróleo Brent recuava 0,88 dólar, ou 2,03%, a 42,44 dólares por barril, às 13:43 (horário de Brasília), em meio a preocupações quanto ao impacto de uma segunda onda de coronavírus sobre a demanda por combustíveis.

Já o dólar operava em alta frente ao real nesta sessão, negociado a quase 5,60 reais.,

O repasse dos reajustes dos combustíveis nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro e biodiesel.

(Reportagem adicional de Gabriel Araujo, em São Paulo)