Mercado abrirá em 4 h 27 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    +0,46 (+0,71%)
     
  • OURO

    1.836,10
    +4,80 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    58.353,54
    +199,74 (+0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.557,06
    +121,28 (+8,45%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.143,84
    +14,13 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.685,75
    -24,00 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Petrobras reduz exportações à China com melhora na margem de refino local

Sabrina Valle
Roberto Castello Branco, CEO da Petrobras, durante teleconferência da empresa

Por Sabrina Valle

RIO DE JANEIRO - A Petrobras reduziu as exportações de petróleo para a China no primeiro trimestre de 2021, diante de uma melhora nas margens de refino locais, disse à Reuters o executivo Roberto Castello Branco, em sua última entrevista antes de deixar o cargo de CEO da estatal.

A China é a maior importadora de petróleo do mundo e chegou a ser responsável por até 90% das vendas externas da Petrobras há um ano, quando a pandemia de Covid-19 reduziu a mobilidade e afetou a demanda por combustíveis no mercado doméstico. A petroleira produz cerca de 2 milhões de barris por dia.

Castello Branco permaneceu no cargo de forma interina até esta segunda-feira, após o presidente Jair Bolsonaro indicar em fevereiro um novo CEO, devido ao descontentamento com a política de preços de combustíveis.

Embora o apetite da China pelo petróleo brasileiro persista, Castello Branco disse que o prêmio pago pelo país asiático pela commodity do Brasil não tem sido suficiente para compensar margens mais elevadas que o mercado agora oferece por gasolina e diesel.

"Isso torna mais lucrativo produzir e vender combustíveis do que petróleo", disse ele.

As exportações de petróleo do Brasil para a China recuaram em cerca de um terço em janeiro e fevereiro, em comparação com igual período do ano passado, de acordo com dados alfandegários chineses e da Refinitiv.

A Petrobras vendeu 37% mais diesel em março, também em comparação anual, disse Castello Branco, e 15% a mais do que em março de 2019, sendo a maior parte do volume destinada ao mercado interno brasileiro.

O consumo de diesel no Brasil --guiado pela demanda dos caminhões-- avançou em março, quando produtores de grãos começaram a transportar suas safras para exportação.

Por outro lado, a demanda por gasolina e querosene de aviação no Brasil diminuiu em março, afirmou Castello Branco, já que diversos Estados impuseram medidas restritivas para conter o coronavírus. A Petrobras tem exportado o excedente de gasolina e direcionado a matéria-prima que seria usada para o querosene para o diesel, segundo ele.

Bolsonaro demitiu Castello Branco após o executivo elevar os preços do diesel conforme a paridade internacional, desagradando os caminhoneiros, que constituem parte da base eleitoral do presidente.

Os acionistas da Petrobras devem confirmar o general Joaquim Silva e Luna como substituto de Castello Branco nesta segunda-feira, após assembleia.

(Reportagem adicional de Chen Aizhu)