Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,46
    -0,17 (-0,26%)
     
  • OURO

    1.785,00
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    56.757,52
    +1.856,92 (+3,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.456,60
    +51,29 (+3,65%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.298,02
    +485,39 (+1,68%)
     
  • NASDAQ

    13.514,25
    +23,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4262
    -0,0007 (-0,01%)
     

Petrobras reduz diesel e gasolina em 2% no 1° reajuste da gestão Luna

·2 minuto de leitura
Carro sendo abastecido em posto de combustíveis no Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras reduzirá preços do diesel e gasolina nas refinarias em cerca de 2% a partir de sábado, informou a companhia nesta sexta-feira, no que marca o primeiro reajuste desde a posse do novo presidente da empresa, o general Joaquim Silva e Luna.

Os preços médios do diesel para distribuidoras cairão 6 centavos por litro, para 2,71 reais, enquanto a gasolina terá recuo de 5 centavos por litro, para 2,59 reais, detalhou a empresa.

Mais cedo, a Reuters havia publicado que a estatal reduziria os preços em cerca de 5 centavos por litro, conforme informações da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) e a consultoria e corretora StoneX nesta sexta-feira.[nS0N2LE027]

Em termos percentuais, o diesel recuará cerca de 2,17%, enquanto a gasolina terá redução de quase 2%, segundo cálculos da Reuters com informações da Petrobras.

O reajuste vem já sob a gestão de Luna, que tomou posse em 19 de abril, depois de confirmação pelo conselho de administração. Ele foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo após descontentamentos com a política de preços de combustíveis da administração anterior, comandada por Roberto Castello Branco.

O movimento dos preços foi na direção contrária do previsto pela corretora Ativa Investimentos, que disse mais cedo nesta sexta-feira que seu modelo indicava potencial alta da gasolina.

"Mesmo após a recente apreciação do real frente ao dólar, o melhor modelo de acompanhamento da defasagem no preço da gasolina da corretora Ativa Investimentos apresentou potencial elevação de 13%, motivado pela alta nos preços do petróleo internacional", afirmou.

Questionada sobre as projeções da Ativa, a Petrobras não fez comentários específicos, mas disse que seus preços "buscam equilíbrio com o mercado internacional e acompanham as variações do valor dos produtos e da taxa de câmbio". A empresa também destacou que os reajustes não têm periodicidade definida.

Ao assumir a presidência da Petrobras, Luna disse que buscará reduzir a volatilidade dos preços de combustíveis sem "desrespeitar" a paridade de importação, em discurso que agradou investidores e fez as ações da companhia subirem no dia.

O último reajuste da Petrobras havia sido anunciado em 15 de abril, no último dia da gestão de Roberto Castello Branco à frente da empresa. Na ocasião, os preços do diesel foram elevados em 3,8%, enquanto a gasolina subiu 1,9%.

(Por Marta Nogueira no Rio de Janeiro e Luciano Costa em São Paulo)