Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,64
    +0,52 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.857,20
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    39.780,56
    -480,96 (-1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    986,13
    -24,48 (-2,42%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.367,05
    -74,25 (-0,25%)
     
  • NASDAQ

    14.041,25
    +11,00 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1121
    -0,0058 (-0,09%)
     

Petrobras prevê retorno ao trabalho presencial em 'ondas' a partir de julho

·2 minuto de leitura
Edifício-sede da Petrobras, no Rio de Janeiro (RJ)

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os funcionários da Petrobras de setores administrativos que estão em home office deverão voltar ao trabalho presencial em "ondas", com a primeira delas envolvendo executivos mais graduados, em julho e agosto, afirmou a empresa à Reuters.

Para os demais empregados em atuação remota, que hoje somam mais de 20 mil, o retorno está previsto para ocorrer a partir de 1º de outubro, na chamada "Onda 1" que limitará a 20% a ocupação de cada prédio administrativo.

"Outubro é a nossa referência (para voltar)", disse uma fonte graduada da companhia na condição de anonimato, citando que o próprio presidente da Petrobras, o general da reserva Joaquim Silva e Luna, "bate o ponto" na empresa desde que assumiu em abril, uma atitude que estimula o retorno ao trabalho presencial.

Luna valoriza uma relação mais próxima entre as pessoas para "escutar opiniões" e "analisar dados" antes da tomada de decisões estratégicas na companhia, segundo fontes a par da situação, que confidenciam a preferência do executivo pelo trabalho presencial.

O planejamento da Petrobras, que poderá marcar o início do encerramento do trabalho exclusivamente remoto, também levará em consideração as condições da pandemia e o avanço do plano nacional de vacinação, para ser implementado.

"O retorno será híbrido, alternando dias presenciais e remotos. Espaços físicos e áreas comuns foram adaptados e adequados", disse a Petrobras, ao ser questionada sobre o assunto.

A empresa ressaltou que o planejamento da volta gradual a atividades presenciais administrativas está sendo feito observando todas as medidas e protocolos de prevenção à Covid-19.

A companhia também destacou que, a despeito de atualmente cerca de 21.300 empregados estarem em teletrabalho na Petrobras, atividades onde é essencial a atuação presencial, ainda que na área administrativa, continuaram sendo realizadas nas instalações da companhia.

O teletrabalho foi implementado em março de 2020 na gestão do ex-presidente da empresa Roberto Castello Branco, cujo mandato terminou este ano e não foi renovado após descontentamentos do presidente Jair Bolsonaro com a política de preços de combustíveis da estatal.

Castello Branco, que diferentemente de Luna adotou o home office, mostrou-se um incentivador do teletrabalho, afirmando por vezes que isso poderia reduzir custos da empresa.

A decisão de Castello Branco --considerado grupo de risco para a Covid-19-- de adotar ele mesmo o teletrabalho desde o início da pandemia também foi criticada por Bolsonaro, que chegou a afirmar que "o chefe tem que estar na frente".

Em agosto do ano passado, a Petrobras aprovou regras para a implantação do modelo permanente de teletrabalho na companhia, que seria voltado aos funcionários do regime administrativo.

A medida teria adesão voluntária e limite de até três diaspor semana, segundo a petroleira, que afirmou na época que o modelo de teletrabalho contribui com a "redução de custos por meio da otimização da ocupação de prédios administrativos".

(Por Rodrigo Viga Gaier; texto de Roberto Samora)