Mercado abrirá em 6 h 3 min
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,05
    -0,57 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.831,80
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    39.805,77
    -175,11 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    946,53
    +16,17 (+1,74%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.078,42
    +61,79 (+0,88%)
     
  • HANG SENG

    25.822,38
    -492,94 (-1,87%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.830,25
    -207,50 (-1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0230
    -0,0175 (-0,29%)
     

Petrobras perdeu R$ 180 bilhões com controle de preços, diz presidente

Presidente da Petrobras afirma que congelamento de preços gerou prejuízo bilionário para a empresa (Foto: Luiz Souza/NurPhoto via Getty Images)
Presidente da Petrobras afirma que congelamento de preços gerou prejuízo bilionário para a empresa (Foto: Luiz Souza/NurPhoto via Getty Images)

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta terça-feira (11) que a melhor forma de derrubar preços de combustíveis no país é a concorrência e que a estratégia de não repassar os preços internacionais para o diesel e a gasolina causou prejuízo de R$ 180 bilhões para a estatal entre 2008 e 2018.

As declarações foram dadas durante audiência pública na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.

Leia também

O executivo compareceu para prestar esclarecimentos aos deputados sobre a situação atual da petroleira e sua política de preços, principalmente no diesel, base de custo dos caminhoneiros que usam as ameaças de paralisações como forma de pressionar o governo a fazer controle de preços na Petrobras.

Castello Branco afirmou que, neste caso, a estatal pode "ajudar muito pouco". Entre 2008 e 2018, a estratégia de não repassar integralmente os preços internacionais para os combustíveis causou perdas para a estatal de R$ 120 bilhões no diesel e de R$ 60 bilhões na gasolina.

Para o executivo, os preços do diesel, em uma lista com 160 países, estão na média mundial. "Pelo menos cem países têm preços mais elevados", disse. "Aqui o problema são os impostos", disse.

Mesmo assim, o executivo afirmou que decidiu segurar os reajustes por um período mais longo (trinta dias) e que vai manter o cartão caminhoneiro. Com ele, o motorista pode trocar combustível por dinheiro quando o preço do diesel cai, como forma de evitar perdas para o caminhoneiro.

Para ele, o problema do setor se deve a um descompasso entre oferta e demanda devido ao aumento acelerado da frota, "muito acima do crescimento do PIB".

Segundo Castello Branco, nos últimos doze meses encerrados em abril, os licenciamentos de veículos pesados e semipesados cresceram 86,7% contra 6,6% de leves e semi-leves, modelos preferidos pelos caminhoneiros autônomos.

Uma de suas propostas, que deve ser levada ao governo, é estimular a conversão da maior parte da frota para motores movidos a gás natural. Com o aumento da exploração com o pré-sal, esse combustível será ainda mais barato, o que reduzirá drasticamente os custos no frete futuramente.

A estratégia da Petrobras de vender ativos para concentrar investimentos na exploração de petróleo e gás também foi alvo de críticas dos parlamentares que chamaram o plano de "desmonte".

Castello Branco explicou que "é necessário tirar ativos que não são tão rentáveis e investir naqueles que trazem maior retorno". "Não há desmonte, há simplesmente gestão de portfolio", disse.

Segundo ele, a Petrobras irá investir US$ 105 bilhões e precisa vender algo entre US$ 30 bilhões e US$ 35 bilhões em ativos próprios que hoje não rendem o necessário. Dentre eles, está um conjunto de refinarias. Com mais dinheiro em caixa, será possível apressar investimentos no pré-sal.

A falta de recursos e a situação na estatal comprometeram o cronograma de investimentos. Segundo ele, o país ficou cinco anos sem leilões e,com isso, deixou de arrecadar mais de R$ 100 bilhões em royalties e participações especiais.

Outro problema é o elevado endividamento da estatal que, segundo Castello Branco, está em US$ 106 bilhões, dobro da média das dez maiores empresas do setor.

"Pagamos juros elevados que consomem 25% de nossa geração de caixa", disse. "Se os US$ 7 bilhões pagos em juros fossem investidos na produção teriam gerado US$ 3,3 bilhões em receitas, US$ 1,4 bilhão em tributos."

Segundo o executivo, a produção do país está estagnada há uma década.

Bolsonaro anuncia redução de 3% no preço da gasolina

O presidente Jair Bolsonaro anunciou um novo corte no valor da gasolina em refinarias. Com a nova redução de 3%, o valor em refinarias foi de R$ 1,81 para R$ 1,75. O valor do diesel se manteve inalterado.

No dia 1º de junho, a Petrobras reduziu o valor da gasolina em 7,16% e o do diesel em 6%.

Da Folhapress

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos