Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    18.718,02
    -322,81 (-1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    367,77
    -2,75 (-0,74%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3380
    -0,0589 (-0,92%)
     

Petrobras planeja cortar exportações de olho em demanda interna

Lucia Kassai
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Brasil deve reduzir pela metade as exportações de petróleo em dezembro diante da flexibilização das restrições contra o coronavírus com a chegada do verão, que tende a aumentar o consumo de combustíveis no país.

A Petrobras espera que as exportações de petróleo em dezembro fiquem entre 40% e 50% abaixo da média do ano, segundo pessoas a par da situação, que falaram sob anonimato. Mais petróleo deve ser processado em suas 13 refinarias no país após a reabertura de shoppings, bares e restaurantes, disse a empresa em comunicado por e-mail.

Em São Paulo, cinemas, museus, academias e salões de beleza reabriram com taxas de ocupação de 60%. A cidade está na fase 4 de um plano de 5 etapas para reabrir a economia. A demanda por combustíveis para transporte rodoviário no país corresponde agora a 96,1% dos níveis pré-pandemia e deve continuar crescendo com o início das férias escolares em meados de dezembro até o fim de janeiro. A demanda por diesel tem ficado acima dos níveis pré-pandemia nos últimos quatro meses.

Ainda assim, os planos de exportação de petróleo da Petrobras podem mudar se o país enfrentar uma segunda onda de coronavírus que reduza o consumo doméstico de combustíveis. O Brasil tem o terceiro maior número de casos do mundo, mas, na semana passada, a taxa de infecções aumentou no ritmo mais lento desde maio, de acordo com dados coletados pela Universidade Johns Hopkins e Bloomberg News.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.